sicnot

Perfil

País

"Portugal volta a partir rumo ao futuro"

"Portugal volta a partir rumo ao futuro"

No primeiro discurso do Dia de Portugal enquanto Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa dirigiu-se ao povo. No Terreiro do Paço em Lisboa, elogiou o povo português e disse que hoje, 10 junho de 2016, Portugal volta a partir rumo ao futuro.

"Foi o povo quem, nos momentos de crise, soube compreender os sacrifícios e privações em favor de um futuro mais digno e mais justo. O povo, sempre o povo, a lutar por Portugal. Mesmo quando algumas elites - ou melhor, as que como tal se julgavam - nos falharam, em troca de prebendas vantajosas, de títulos pomposos, meros ouropéis luzidios, de autocontemplações deslumbradas ou simplesmente tiveram medo de ver a realidade e de decidir com visão e sem preconceitos", afirmou.

"Portugal é o seu povo, que não vacila, não trai, não se conforma, não desiste", declarou.

O chefe de Estado falava na componente militar das cerimónias do 10 de Junho, que este ano, e de forma inédita, se estendem a Paris, cidade onde hoje à tarde Marcelo Rebelo de Sousa condecorará emigrantes portugueses que assistiram vítimas do atentado terrorista de há sete meses na capital francesa.

"Aqui em Lisboa, seguro de estar a interpretar a vontade popular, condecoro militares cujo pundonor e percurso no passado ou no presente são exemplo para todos nós", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, no discurso que antecedeu a condecoração de seis militares, três no ativo e três outros que combateram na Guerra Colonial.

O Presidente referiu-se também às condecorações que atribuirá em Paris - juntando, como no seu discurso, "o povo armado e não armado" nas homenagens de 10 de Junho, no âmbito das quais e até dia 12 de junho, em Paris, distinguirá mais emigrantes e luso-descendentes e também cidadãos franceses que se destacaram na ajuda às comunidades pobres portuguesas que para França emigraram "a salto", sobretudo nos anos 1960.

"Mais tarde em Paris condecorarei, em nome de todos nós, alguns portugueses que durante os recentes atentados não hesitaram por um instante em dar abrigo e salvar quem fugia da destruição e da morte. Também eles são um exemplo de solidariedade e de humanismo, que devem ser realçados, mostrando assim que estamos atentos e gratos a todos esses portugueses que, ainda que longe, nos honram e nos orgulham, fazendo-nos vibrar por pertencermos à pátria que somos", disse.

No elogio ao povo, Marcelo Rebelo de Sousa percorreu vários momentos da história de Portugal, desde a fundação, passando pelas perdas e recuperação da independência, às invasões estrangeiras do século XIX e o 25 de Abril.

"Esse mesmo povo que hoje é garante do nosso desenvolvimento económico, da justiça social na reconfiguração de Portugal como país de economia europeia, de raiz multicultural, expressão da língua portuguesa, plataforma entre continentes, culturas e civilizações, é esse povo que hoje aqui e em França queremos celebrar", afirmou.

Numa intervenção curta (durou cerca de nove minutos), de tom mobilizador, Marcelo Rebelo de Sousa referiu-se também ao simbolismo do lugar em que decorreram esta primeira parte das cerimónias, o Terreiro do Paço.

"Podemos dizer que devemos aos acontecimentos ocorridos neste espaço o que somos hoje e o que fomos sendo desde o século XV", afirmou, referindo-se a vários acontecimentos, culminando no terramoto de 1755.

"Foi aqui também que demos prova de que somos capazes, novamente a partir do nada, planeamos, reconstruimos, reerguemo-nos, Lisboa renasceu e a esta praça tornou se uma das mais belas da Europa. Mostrámos ao mundo de então de que fibra somos feitos e do que somos capazes".

"Hoje, em 10 de junho de 2016, desta mesma praça, que é símbolo maior do nosso imaginário coletivo, partimos, uma vez mais, rumo ao futuro. Somos portugueses, como sempre, triunfaremos", concluiu.

O Presidente da República chegou cerca das 10:00 ao Terreiro do Paço, onde estavam concentrados cerca de 1500 militares de 30 unidades dos três ramos das Forças Armadas: Exército, Marinha e Força Aérea.

Antes da intervenção de Marcelo Rebelo de Sousa foi feita uma homenagem aos militares mortos e após o discurso realizou-se um desfile militar, com veículos e homens e mulheres a pé.

Durante o hino nacional que foi entoado à chegada do Presidente, foram disparados tiros de canhão de navios concentrados ao largo do Tejo, tendo também sobrevoado o Terreiro do Paço uma esquadra de aviões caça F-16.

Com Lusa

  • Marcelo vai condecorar porteiras portuguesas que salvaram vidas nos atentados de Paris
    4:57

    Ataques em Paris

    Em 2016 haverá condecorações inéditas: o Presidente da República vai agraciar duas porteiras portuguesas que trabalham em Paris. Há seis meses, as duas porteiras ajudaram a salvar várias vidas ao abrirem as portas do prédio, pouco depois do terrível massacre no Bataclan. Marcelo Rebelo de Sousa distingue amanhã Natália Syed e Margarida Sousa pelos seus feitos, numa cerimónia em que também estará presente o Presidente francês.

  • Marcelo inicia comemorações do 10 de junho um dia mais cedo
    2:00

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa deu esta quinta-feira início às comemorações do 10 de junho. Numa visita a equipamentos militares, o Presidente da República aconselhou navegação por instrumentos para saber quando se vai para a esquerda ou para a direita. Marcelo contou ainda que não há políticos entre os condecorados do 10 de junho porque quer homenagear atos de heroísmo e bravura.

  • Autarca e duas jornalistas mortas a tiro na Finlândia 

    Mundo

    A presidente da Câmara de Imatra, na Finlândia, e duas jornalistas foram mortas a tiro na noite passada, na pequena cidade do sudeste do país. O incidente aconteceu junto a um restaurante e a polícia chegou ao local pouco depois dos disparos. Um suspeito de 23 anos já foi detido.

    Em desenvolvimento

  • Avião da Qatar Airways aterra de emergência nas Lages
    0:47

    País

    Aterrou de emergência nos Açores, esta manhã, um avião da Qatar Airways. A turbulência obrigou à manobra que causou pelo menos 10 feridos nos passageiro do avião que fazia ligação de Washington para Doha, capital do Qatar, e foi desviado para a base aérea das Lajes. Os passageiros desembarcaram, como registou no Twiiter um jornalista da Al-Jazzera que seguia a bordo. Segundo este depoimento, uma pessoa foi levada para o hospital com problemas cardíacos.

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.