sicnot

Perfil

País

Bragança, Beja e Faro com risco extremo de exposição a raios UV

As regiões de Bragança, Beja e Faro apresentam hoje risco extremo de exposição à radiação ultravioleta (UV), informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

© Eliseo Fernandez / Reuters

De acordo com o instituto, estão ainda em risco extremo, o mais elevado da escala, alguns concelhos dos distritos de Vila Real, da Guarda, Castelo Branco, Portalegre e Setúbal.

As restantes regiões do país, à exceção de Aveiro, estão com risco muito alto de exposição à radiação UV, refere o IPMA na sua página na internet.

Para as regiões com níveis de risco extremo, o IPMA recomenda evitar o mais possível a exposição solar, enquanto para as regiões com níveis de risco muito alto aconselha o uso de óculos de sol, chapéu, t-shirt, guarda-sol, protetor e que seja evitada a exposição das crianças ao sol.

Os índices UV variam entre menor do que 02, em que o UV é "Baixo", 03 a 05 ("Moderado"), 06 a 07 ("Alto"), 08 a 10 ("Muito Alto") e superior a 11 ("Extremo").

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera prevê para hoje, nas regiões norte e centro, céu geralmente muito nublado, diminuindo gradualmente de nebulosidade a partir da tarde, e uma pequena descida da temperatura máxima.

Prevê ainda períodos de chuva fraca ou chuvisco nas regiões do litoral, em especial no Minho, até ao final da manhã.

O vento soprará fraco a moderado de noroeste, soprando moderado no litoral a sul do Cabo Carvoeiro em especial durante a tarde, e sendo moderado a forte nas terras altas.

Para a região sul, as previsões apontam para céu pouco nublado ou limpo, apresentando-se geralmente muito nublado nas regiões do litoral oeste até meio da manhã, e uma pequena descida da temperatura máxima nas regiões do interior.

O vento estará fraco a moderado de noroeste, soprando moderado a forte no litoral oeste e nas terras altas, por vezes com rajadas até 65 km/h.

Para a Madeira, são esperados períodos de céu muito nublado e possibilidade de ocorrência de aguaceiros fracos nas vertentes norte e terras altas até final da manhã.

Nas ilhas açorianas Flores e Corvo (grupo ocidental), o céu apresentar-se-á muito nublado, prevendo-se também neblinas ou nevoeiro.

Estão também previstos períodos de chuva, passando a aguaceiros fracos para a noite.

O céu também estará muito nublado no grupo central (Graciosa, São Jorge, Terceira, Faial e Pico), prevendo-se períodos de chuva fraca ou chuvisco.

Para o grupo oriental (São Miguel e Santa Maria) preveem-se períodos de céu muito nublado com boas abertas.

As temperaturas máximas previstas para hoje são de 23 graus Celsius em Lisboa, 21 no Porto, 33 em Faro, 26 no Funchal e 22 em Ponta Delgada.

Lusa

  • O tempo para hoje
    0:30

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera prevê para hoje, nas regiões norte e centro, céu geralmente muito nublado, diminuindo gradualmente de nebulosidade a partir da tarde, e uma pequena descida da temperatura máxima.

  • D.A.M.A. participam em campanha de prevenção contra o cancro
    3:29

    Cultura

    Neste fim de semana prolongado e com temperaturas mais elevadas, próprias desta época do ano, nunca é de mais recordar que a exposição ao Sol só é saudável se for feita com cuidado. Os D.A.M.A., aderiram a uma campanha da Liga Portuguesa Contra o Cancro e a SIC mostra-lhe o novo ritmo para este Verão.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18