sicnot

Perfil

País

GNR deteve 274 pessoas entre os dias 10 e 13

A GNR deteve 274 pessoas no fim de semana e feriados, a maior parte por conduzirem alcoolizados, e detetou mais de quatro mil infrações de trânsito, especialmente excessos de velocidade.

De acordo com um comunicado hoje divulgado, o balanço diz respeito ao período entre 10 e 13, quando ainda foram apreendidas 724 doses de haxixe e 105 de cocaína, além de 14 plantas de cannabis, duas armas de fogo, quatro brancas e 566 euros.

Dos 274 detidos, especifica-se no comunicado, 177 foram-no por condução sob efeito de álcool, 30 por condução sem carta, 13 por furtos, 12 por posse de arma proibida e seis por tráfico de droga.

Quanto às 4.093 infrações, a maior parte, 963, foi casos de excessos de velocidade, seguindo-se 485 situações de condução com taxa de álcool no sangue superior à permitida na lei.

Foram ainda registados 248 casos de falta de inspeção do veículo, 181 casos de falta ou incorreto uso do cinto de segurança (e sistema de retenção de crianças), e 126 casos de uso de telemóvel no exercício da condução.

Lusa

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.

  • Presidente do Brasil formalmente acusado de corrupção

    Mundo

    O Procurador-Geral da República do Brasil apresentou na noite de segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal uma denúncia contra o Presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) pelo crime de corrupção passiva.

  • Reconquista de Mossul ao Daesh pode estar para breve
    1:27
  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.