sicnot

Perfil

País

Governo da Madeira enfrenta moção de censura do PCP

A Assembleia Legislativa da Madeira discute esta quarta-feira uma moção de censura ao Governo Regional, a primeira contra o executivo do social-democrata Miguel Albuquerque, 14 meses após a sua tomada de posse.

(Arquivo)

(Arquivo)

Lusa

A moção de censura do PCP é contra o "desgoverno", o "desnorte", o "descrédito", a "confusão", a "constrangedora instabilidade governativa" do Governo Regional, "pródigo no prometer e anunciar e inconsequente no agir".

Os comunistas consideram, ainda, que a atuação do presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, "se resume à aparição em eventos públicos, de todo o género, transformando a governação numa mera exibição frívola para as páginas sociais", refere a nota justificativa da moção.

Tendo como fundamento as "convulsões" no setor da Saúde, com a demissão do anterior secretário regional poucos meses depois de ter tomado posse, a recente demissão, em bloco, da direção clínica do SESARAM (Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira), a falta de medicamentos e de meios técnicos e humanos, as listas de espera e o descontentamento dos profissionais da área, a moção de censura realça, no entanto, que aquilo que está em causa é "um problema de governação" e "não setorial".

Nesse sentido aponta, também, para a "gravíssima situação financeira, económica e social" da Região, para o incumprimento de algumas promessas eleitorais e para a programação de obras públicas "ao estilo jardinista (Alberto João Jardim, ex-presidente do Governo Regional), que correspondem à assunção de elevadíssimos compromissos financeiros e avultadas despesas públicas".

Num parlamento regional com 47 deputados, a maioria que suporta o Governo Regional tem 24 eleitos, contra 23 de toda a oposição.

Os governos de Alberto João Jardim (17 de março de 1978 a 12 janeiro de 2015) enfrentaram sete moções de censura ao longo dos 37 anos consecutivos de poder.

A primeira foi apresentada pela UDP, a 8 de fevereiro de 1982, que nem foi discutida por falta de quórum. As três seguintes foram da autoria do PCP (20 maio de 2008, 12 maio de 2009 e 2 de março de 2011). O PS apresentou uma (29 de maio de 2012), mas acabou por retirá-la por Alberto João Jardim não ter comparecido na Assembleia (atitude que sempre manteve nestas ocasiões, fazendo-se representar por um secretário regional) e as duas últimas foram do PTP (13 de março de 2013) e do PS (14 de março de 2013).

Estas foram, no entanto, antecedidas por uma moção de confiança apresentada pelo PSD ao Governo Regional a 12 de março de 2013.

Lusa

  • Marcelo promete entregar carta de menina com paralisia cerebral ao primeiro-ministro
    3:05

    País

    O Presidente da República está preocupado com os cuidadores dos cidadãos que precisam de cuidados paliativos. No Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, que se assinalou este sábado, Marcelo Rebelo de Sousa visitou a Casa do Tejo, em Algés, onde três famílias de crianças com paralisia cerebral e outros problemas de saúde são recebidas em conjunto com os pais para que toda a famíla possa receber apoio de técnicos especializados. O Presidente recebeu uma carta de uma menina de 5 anos, com paralisia cerebral, e prometeu que a vai entregar ao primeiro-ministro, para que seja aberta uma porta legislativa mais larga para os problemas das pessoas deficientes.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02