sicnot

Perfil

País

Estivadores manifestam-se em Lisboa contra precariedade trazida por legislação aprovada há três anos

Os estivadores manifestam-se na quinta-feira contra a precariedade laboral, enquanto o sindicato continua a negociar com os operadores do Porto de Lisboa um novo Contrato Coletivo de Trabalho para minimizar o impacto da lei, em vigor desde 2013.

(Arquivo)

(Arquivo)

TIAGO PETINGA

Sob o lema "Precariedade? Nem para os estivadores nem para ninguém", a concentração, que contará com trabalhadores de vários portos nacionais, está marcada para as 18:00 no Cais do Sodré, dirigindo-se depois para a Assembleia da República.

O grande alvo dos estivadores é a lei do trabalho portuário (Lei n.º 3/2013), aprovada pelo anterior Executivo de Passos Coelho com os votos favoráveis do PS e que o atual Governo já garantiu que não vai alterar.

"Não vamos alterar a lei do trabalho portuário. O Governo não vai alterar a lei do trabalho portuário e não se trata de pressões, ou não. Não vai alterar a lei aprovada com os votos favoráveis do PS [...] na medida em que se trata de uma adaptação à legislação comunitária", afirmou na terça-feira no Parlamento a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

Já hoje o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Tráfego e Conferentes Marítimos do Centro e Sul de Portugal, António Mariano, que esteve no Parlamento, por requerimento do PCP, defendeu que a lei do trabalho portuário "veio introduzir fatores de precariedade acrescida".

Aliás, o dirigente sindical foi perentório ao afirmar que o conflito laboral teve origem na legislação, que sempre foi contestada pela classe, e que originou vários pré-avisos de greve - só em 2013 sucederam-se durante seis meses, mas só resultaram num dia de paragem efetiva.

"Dizia-se que se pretendia aproximar o trabalho portuário do regime geral, mas o que se fez foi permitir que nos portos se vá muito mais além do que se aceita nos outros setores", defendeu, lamentando o silêncio em outros portos nacionais.

"Fala-se sempre do Porto de Leixões como um porto modelo. Lá há um sistema de trabalho que não se percebe como existe. Os trabalhadores têm medo de falar", declarou.

A paz social parecia ter chegado em janeiro quando Ana Paula Vitorino conseguiu reatar as negociações com vista à assinatura de um novo Contrato Coletivo de Trabalho no Porto de Lisboa, mas em abril foram interrompidas e as greves paralisaram o Porto de Lisboa durante 38 dias.

A 27 de maio, mais uma vez, a ministra do Mar foi porta-voz de um novo compromisso entre os operadores e os estivadores com vista à assinatura de um novo CCT, que permitirá aos estivadores "recuperar pela negociação coletiva coisas que a lei retirou", explicou hoje António Mariano.

O primeiro ponto desse acordo assinado na noite de 27 de maio, depois de uma longa maratona negocial, previa a redação e assinatura do novo CCT com uma duração de seis anos, no prazo de 15 dias, prazo que terminou no sábado, dia 11 de junho, atraso que a ministra justificou com a ausência de uma das partes.

Hoje, o sindicato garantiu que nunca esteve ausente do país e acusou os operadores de estarem a introduzir elementos novos que não estavam previstos no acordo alcançado, acrescentando que as negociações prosseguem, enquanto se preparam para sair à rua a reivindicar mais direitos.

Lusa

  • Movimento de cargas e descargas volta ao porto de Lisboa
    0:57

    Economia

    O movimento de cargas e descargas voltou ao porto de Lisboa e a prioridade foi abastecer os camiões com os contentores que estavam há mais tempo no porto. Após 40 dias do início da greve, os estivadores voltaram ao trabalho esta segunda-feira depois de alcançado um acordo, na passada sexta-feira, que definiu um regime de progressão na carreira e uma tabela salarial com dez níveis.

  • Estivadores querem investigada razão de medicamentos não chegarem à Madeira
    2:21

    Economia

    O acordo entre operadores e estivadores precisa de mais tempo, antes de ser assinado e a lei do trabalho portuário não vai mudar, afirmou ontem Ana Paula Vitorino, na comissão parlamentar. Já hoje, os estivadores anunciaram que vão pedir a intervenção do Ministério Público, a propósito dos prejuízos sentidos na Madeira, aquando da greve.

  • Pablo Bravo: o chileno suspeito de um assalto milionário em Gaia
    6:01

    País

    As autoridades receiam um aumento da violência nos assaltos de redes sul-americanas em Portugal, à semelhança do que tem acontecido noutros países europeus. Pablo Bravo é um chileno com um longo cadastro criminal que, em Portugal, é suspeito de um assalto milionário a um hipermercado, em Gaia e, dias depois, foi detido em flagrante, em Paris, a tentar roubar uma loja de relógios de luxo.

    Notícia SIC

  • Obras para as novas instalações da SIC já começaram
    1:54

    País

    As obras do novo estúdio da SIC e SIC Notícias vão começar. A ampliação do edifício do grupo Impresa vai unir os funcionários do grupo num único espaço, com uma área de 750 metros. O Presidente da Câmara de Oeiras entregou esta terça-feira a licença de obra.

  • Cada vez mais pessoas viajam no Carnaval e Páscoa
    3:08

    Economia

    A procura de viagens na altura do Carnaval e Páscoa tem vindo a aumentar e vários destinos já estão esgotados já que muitas pessoas optam por tirar dias de férias nesta altura do ano. Em contagem decrescente, as agências de viagens não têm tido mãos a medir com promoções e ofertas para destinos variados e adequados a várias bolsas.

  • As crianças que estão a morrer à fome em África

    Mundo

    A UNICEF alertou esta terça-feira que a má nutrição aguda que afeta a Nigéria, Somália, Sudão do Sul e Iémen coloca este ano em "iminente" risco de morte 1,4 milhões de crianças devido à fome que existe naqueles países. São milhares de casos de um incessante desespero numa luta diária pela sobrevivência.

  • Mundo tornou-se "mais sombrio e mais instável" em 2016

    Mundo

    O mundo tornou-se em 2016 "um local mais sombrio e mais instável", devido ao agravamento de conflitos como a Síria e dos "discursos do ódio" na Europa e Estados Unidos, considerou hoje a Amnistia Internacional no seu relatório anual.

  • Semáforos no chão para os mais distraídos

    Mundo

    Na cidade holandesa de Bodegraven, está a ser testado um sistema de semáforos para quem usa o telemóvel na rua. Estes semáforos têm a forma de faixas, que são colocadas no chão, e a luz muda de cor consoante o trânsito, tal como os semáforos já existentes.

    André de Jesus

  • Carro "desgovernado" entra em loja e atropela cliente

    Mundo

    O cliente de um mini-mercado no condado de Bronx, em Nova Iorque, sobreviveu de forma incrível ao impacto de um automóvel que entrou loja adentro. Apesar da violência das imagens, o homem sobreviveu e conseguiu mesmo sair da loja pelo próprio pé até ser transportado para o hospital.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.

  • Pulseira deixa sentir os movimentos do bebé ainda na barriga da mãe

    Mundo

    A pulseira Fibo permite que os futuros pais (ou mães) consigam sentir os seus filhos a dar pontapés ainda na barriga da mãe. Desenvolvida por um designer de joias da Dinamarca, a pulseira vai transmitir os movimentos do bebé no útero, de modo a que os pais possam partilhar essa experiência da gravidez.

  • Cães desfilam no Rio de Janeiro
    1:00

    Mundo

    O tradicional cortejo de Carnaval brasileiro só acontece daqui a uns dias, mas no Rio de Janeiro já há inúmeros desfiles pelas ruas. Na praia de Copacabana, os animais mascararam-se de humanos.