sicnot

Perfil

País

Mais de dois idosos pedem ajuda por dia à APAV, muitos por violência financeira

Mais de dois idosos recorrem diariamente à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, muitos deles vítimas dos filhos e dos netos que se apropriam dos seus bens e das suas economias, disse à Lusa fonte da APAV.

A Linha Saúde 24 para idosos foi suspensa a 1 de janeiro e continua desativada

A Linha Saúde 24 para idosos foi suspensa a 1 de janeiro e continua desativada

© Carolina Camps / Reuters

Em 2015, a APAV apoiou 977 idosos vítimas de crime, mais 125 face ao ano anterior, representando uma média de 2,7 por dia e 18,7 por semana.

Muitos destes idosos foram vítimas de violência financeira, um crime que "tem aumentado nos últimos anos, especialmente devido à situação da crise financeira", disse Daniel Cotrim, da APAV, que falava à agência Lusa a propósito do Dia Internacional de Sensibilização sobre a Prevenção da Violência Contra as Pessoas Idosa, que hoje se assinala.

O psicólogo explicou que os idosos são "vítimas relativamente fáceis", sendo que na maior parte dos casos os agressores "são pessoas muito próximas", nomeadamente filhos e netos, que "conhecem muito bem as suas vulnerabilidades e fraquezas".

"São muito mais fáceis de manipular e de exercer poder e controlo sobre eles, o que faz com que sejam vítimas de "muita violência financeira", além de violência física e psicológica.

Daniel Cotrim contou que os agressores ficam com o rendimento dos idosos, chegando mesmo a retirá-los dos lares onde residem para ficar com o valor da mensalidade para apoiar o rendimento mensal da família.

Segundo o responsável, "a apropriação indevida de bens materiais e económicos dos idosos por parte dos seus familiares" é um dos motivos que leva muitas vezes as vítimas a pedirem ajuda à associação.

Mas geralmente fazem-no "já muito tempo após as situações terem começado", lamentou. Por isso, "é importante prevenir", sensibilizando as pessoas mais velhas para estas questões, explicando-lhes os perigos que correm.

"Também é importante sensibilizar a sociedade e as comunidades para as questões do respeito pelos mais velhos, pelas questões da cidadania e da igualdade", defendeu Daniel Cotrim.

Sobre o aumento do número de idosos apoiados pela APAV, o psicólogo disse que pode dever-se ao facto de as pessoas estarem mais sensibilizadas e mais informadas para este tipo de questões e denunciarem mais, mas também pode demonstrar que o problema ter aumentado.

Segundo dados da APAV relativos a 2015, 80,5% destas vítimas são mulheres, com uma média de idade de 75 anos.

Quase 40% das vítimas (39%) viviam numa família nuclear com filhos, 58,4% eram casados e 29,5% eram viúvos. A grande maioria (90,1%) era reformada.

Quanto à escolaridade das vítimas, os dados indicam que 33,3% das vítimas tinham o primeiro ciclo do ensino básico, 19,2%, o ensino superior e 13,3% não sabia ler nem escrever.

No Dia Internacional de Sensibilização sobre a Prevenção da Violência Contra as Pessoas Idosa, Daniel Cotrim apela às pessoas e aos idosos vítimas para denunciarem este crime.

"A APAV tem um número gratuito (116006)" para pedir apoio, "porque falar ajuda", frisou.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão