sicnot

Perfil

País

Militares da GNR dizem-se abandonados pela tutela e pedem solução para problemas

A Associação Nacional de Guardas (ANAG/GNR) diz que os militares da GNR se sentem abandonados pela tutela, e acusa o Ministério da Administração Interna (MAI) de ainda não ter solucionado "um único problema" desta força de segurança.

(SIC/ Arquivo)

Os militares da Guarda Nacional Republicana (GNR), reunidos na ANAG, lamentaram hoje, em comunicado, que apenas se tenham reunido com a atual ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, em dezembro passado, para uma sessão de apresentação de cumprimentos.

"A ANAG aguarda há meses uma reunião de trabalho com a governante para resolver o memorando reivindicativo já entregue no MAI, no qual estão expostas as questões mais iminentes e que já transitaram do governo anterior. A ANAG alerta para a necessidade urgente em desbloquear a passagem à reserva de milhares de militares que já reúnem as condições devidas -- 36 anos de serviço - e que têm os seus pedidos indeferidos, alegadamente por falta de efetivo", lê-se no documento.

De acordo com a associação que representa os militares da GNR, continua por aplicar o decreto-lei que regula o regime transitório de passagem à reserva e à reforma, tendo a ANAG já solicitado uma reunião ao ministro da Segurança Social, António Vieira da Silva, que tutela a Caixa Geral de Aposentações.

Entre as reivindicações da GNR, já entregues ao MAI, estão a alteração ao Estatuto da GNR, atualizações salariais, progressões na carreira, horários e contribuições para o subsistema de saúde dos militares, entre outras matérias.

"A ANAG continua aberta ao diálogo a bem da resolução dos problemas, mas também não pode deixar de reagir ao crescente desespero dos militares", conclui o comunicado.

Lusa

  • Principais factos da acusação no caso BPN dados como provados

    País

    O coletivo de juízes responsável pelo julgamento do processo principal do caso BPN, liderado por Luis Ribeiro, deu início à leitura do acórdão pelas 10:30, com quatro arguidos ausentes do tribunal, entre os quais Oliveira Costa. Os principais factos da acusação são dados como provados, mas a leitura deverá demorar algumas horas

  • Autódromo do Estoril está ilegal há 45 anos

    Desporto

    De acordo com o Público este equipamento desportivo, inaugurado na década de 70, não tem licença de construção nem de utilização. Uma notícia que apanhou de surpresa o executivo camarário de Cascais, liderado por Carlos Carreiras.

  • Seca na Bacia do Sado exige restrições ao uso da água no Alentejo

    País

    A Agência Portuguesa do Ambiente aprovou hoje um conjunto de medidas para gestão dos recursos hídricos, definindo medidas específicas para a bacia hidrográfica do Sado, a única que se encontra em situação de seca. Além da diminuição de regas em hortas e jardins, a APA recomenda o encerramento das fontes decorativas, a proibição de encher piscinas e de lavagem de automóveis.