sicnot

Perfil

País

Parlamento debate inclusão de menu vegetariano em todas as cantinas públicas

O Parlamento debate na quinta-feira a inclusão de uma opção vegetariana em todas as cantinas públicas, uma proposta legislativa do partido PAN - Pessoas-Animais-Natureza assente "em motivações de saúde, éticas, ambientais, pedagógicas e inclusivas".

Em março deu entrada na Assembleia da República uma petição pela inclusão de opções vegetarianas nas escolas, universidades e hospitais portugueses.

Das cerca de 15.000 assinaturas recolhidas, foram validadas e entregues cerca de 12.000, que representam "a vontade de muitos portugueses que, por opção ou necessidade, motivados por aspetos éticos, ecológicos ou de saúde, seguem regimes de alimentação que diferem da norma, nomeadamente uma alimentação vegetariana", refere o PAN.

Para André Silva, subscritor do projeto de lei e único deputado do PAN na Assembleia da República, "Portugal possui as condições necessárias para adotar uma dieta vegetariana", uma vez que tem "uma produção vegetal de elevada qualidade, com variedade sazonal e diversificada".

"A nossa tradição gastronómica baseia-se em produtos de origem vegetal, que vão desde a sopa de hortícolas a uma grande variedade de frutas, passando ainda pelo pão e pelo azeite", afirma o deputado no documento.

Salienta ainda o evidente impacto da alimentação na saúde, lembrando a publicação "As linhas de orientação para uma alimentação vegetariana saudável", lançada pela Direção-Geral da Saúde em 2015, "onde claramente reconhece os benefícios de uma alimentação baseada em produtos de origem vegetal".

Por outro lado, defende André Silva, uma dieta sustentável "deve ter um baixo impacto ambiental contribuindo para padrões elevados de segurança alimentar e de saúde das gerações futuras".

A oportunidade para a inclusão de uma alternativa vegetariana em todas as cantinas públicas tem motivações pedagógicas, ambientais e de saúde, mas também é uma forma de "impedir a discriminação das pessoas que já seguem esta dieta mas que dificilmente conseguem fazer uma refeição fora das suas casas".

"Esta questão torna-se especialmente relevante quando se tratam de crianças e jovens, os quais são também cada vez mais a seguir este tipo de alimentação e sentem-se muitas vezes discriminados nas escolas, pelos colegas, professores, auxiliares, por comerem comida diferente, necessariamente trazida de casa", salienta André Silva.

Para o deputado, "é importante que sejam asseguradas as condições para que todos possam seguir as suas dietas sem qualquer tipo de discriminação", mas também é de "extrema importância informar e sensibilizar as pessoas para o impacto que a sua alimentação tem na natureza mas também na sua própria saúde".


Lusa

  • Talho de vegetais
    3:25

    Economia Verde

    Há uma nova marca em Portugal que promete uma revolução vegetariana. O Talho Vegetariano é uma empresa portuguesa que importa e comercializa substitutos da carne e do peixe, feitos à base de soja e tremoço. O conceito nasceu na Holanda e já está em 25 lojas de norte a sul do país. O aspeto dos produtos é semelhante ao de frango ou atum, por exemplo. A aposta é chegar, não apenas aos vegetarianos, mas também às pessoas que querem reduzir o consumo de produtos de origem animal.

  • Sapatos Vegan
    3:46

    Economia Verde

    Numa das fábricas mais antigas de Portugal, são desenvolvidos sapatos de última geração, para uma empresa que comercializa sapatos Vegan. Sem qualquer produto animal, são feitos para respeitar a natureza.

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Uso de véu que tape o rosto proibido em serviços públicos no Quebec, Canadá
    1:04
  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.