sicnot

Perfil

País

Parlamento debate inclusão de menu vegetariano em todas as cantinas públicas

O Parlamento debate na quinta-feira a inclusão de uma opção vegetariana em todas as cantinas públicas, uma proposta legislativa do partido PAN - Pessoas-Animais-Natureza assente "em motivações de saúde, éticas, ambientais, pedagógicas e inclusivas".

© Baz Ratner / Reuters

Em março deu entrada na Assembleia da República uma petição pela inclusão de opções vegetarianas nas escolas, universidades e hospitais portugueses.

Das cerca de 15.000 assinaturas recolhidas, foram validadas e entregues cerca de 12.000, que representam "a vontade de muitos portugueses que, por opção ou necessidade, motivados por aspetos éticos, ecológicos ou de saúde, seguem regimes de alimentação que diferem da norma, nomeadamente uma alimentação vegetariana", refere o PAN.

Para André Silva, subscritor do projeto de lei e único deputado do PAN na Assembleia da República, "Portugal possui as condições necessárias para adotar uma dieta vegetariana", uma vez que tem "uma produção vegetal de elevada qualidade, com variedade sazonal e diversificada".

"A nossa tradição gastronómica baseia-se em produtos de origem vegetal, que vão desde a sopa de hortícolas a uma grande variedade de frutas, passando ainda pelo pão e pelo azeite", afirma o deputado no documento.

Salienta ainda o evidente impacto da alimentação na saúde, lembrando a publicação "As linhas de orientação para uma alimentação vegetariana saudável", lançada pela Direção-Geral da Saúde em 2015, "onde claramente reconhece os benefícios de uma alimentação baseada em produtos de origem vegetal".

Por outro lado, defende André Silva, uma dieta sustentável "deve ter um baixo impacto ambiental contribuindo para padrões elevados de segurança alimentar e de saúde das gerações futuras".

A oportunidade para a inclusão de uma alternativa vegetariana em todas as cantinas públicas tem motivações pedagógicas, ambientais e de saúde, mas também é uma forma de "impedir a discriminação das pessoas que já seguem esta dieta mas que dificilmente conseguem fazer uma refeição fora das suas casas".

"Esta questão torna-se especialmente relevante quando se tratam de crianças e jovens, os quais são também cada vez mais a seguir este tipo de alimentação e sentem-se muitas vezes discriminados nas escolas, pelos colegas, professores, auxiliares, por comerem comida diferente, necessariamente trazida de casa", salienta André Silva.

Para o deputado, "é importante que sejam asseguradas as condições para que todos possam seguir as suas dietas sem qualquer tipo de discriminação", mas também é de "extrema importância informar e sensibilizar as pessoas para o impacto que a sua alimentação tem na natureza mas também na sua própria saúde".


Lusa

  • Talho de vegetais
    3:25

    Economia Verde

    Há uma nova marca em Portugal que promete uma revolução vegetariana. O Talho Vegetariano é uma empresa portuguesa que importa e comercializa substitutos da carne e do peixe, feitos à base de soja e tremoço. O conceito nasceu na Holanda e já está em 25 lojas de norte a sul do país. O aspeto dos produtos é semelhante ao de frango ou atum, por exemplo. A aposta é chegar, não apenas aos vegetarianos, mas também às pessoas que querem reduzir o consumo de produtos de origem animal.

  • Sapatos Vegan
    3:46

    Economia Verde

    Numa das fábricas mais antigas de Portugal, são desenvolvidos sapatos de última geração, para uma empresa que comercializa sapatos Vegan. Sem qualquer produto animal, são feitos para respeitar a natureza.

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.