sicnot

Perfil

País

Adiado julgamento de homem acusado de matar mulher em Tarouca

O Tribunal de Viseu adiou o início do julgamento de um homem acusado de ter matado uma mulher a tiro no concelho de Tarouca, em 2015, devido a divergências relacionadas com restaurantes que ambos exploravam.

Questionado do porquê de tentar matar as duas filhas, o arguido sublinhou que o objetivo era "acabar com o sofrimento" de ficarem sem mãe, tendo dito às próprias filhas que "não ia ficar ninguém". (Arquivo)

Questionado do porquê de tentar matar as duas filhas, o arguido sublinhou que o objetivo era "acabar com o sofrimento" de ficarem sem mãe, tendo dito às próprias filhas que "não ia ficar ninguém". (Arquivo)

SIC

O julgamento devia começar hoje à tarde, mas foi adiado para data ainda desconhecida na sequência de um pedido de perícias, justificou aos jornalistas um funcionário judicial.

O homem -- taxista de profissão, atualmente com 53 anos - está acusado de dois crimes de homicídio qualificado, um consumado, outro na forma tentada.

Segundo o despacho de acusação do Ministério Público (MP), o arguido e a vítima exploravam, cada um, estabelecimentos de restauração situados lado a lado, na freguesia de São João de Tarouca.

"Cada um destes estabelecimentos tinha uma esplanada própria, havendo divergências antigas entre o arguido e Leonilde Almeida quanto ao espaço exterior e passagem para cada um dos estabelecimentos", refere a acusação.

Na tarde de 6 de outubro de 2015 já tinha havido "troca de palavras" entre a esposa do arguido, a vítima e o ex-companheiro desta.

"Na sequência destas altercações, o arguido mandou instalar um pequeno varandim em madeira com o objetivo de separar o logradouro das esplanadas entre os referidos estabelecimentos de restauração", relata ao MP.

Ao ver o início da construção desta estrutura, a vítima pediu ao ex-companheiro que se deslocasse novamente àquele local, pois entendia que a divisória impedia a passagem das pessoas para o seu estabelecimento.

Chegado ao local, o ex-companheiro da vítima, munido de um objeto em ferro, "começou a desferir pancadas no varandim que se encontrava ainda a ser instalado, a fim de o destruir".

Perante a situação, arguido e esposa "insurgiram-se" e "envolveram-se numa troca de palavras e agressões físicas" com José Delmar.

Ao constatar este cenário, a vítima acorreu ao local e tentou encaminhar o ex-companheiro para o interior do seu restaurante.

"Nessa ocasião, o arguido Benjamim Silva retirou do bolso das calças a arma de fogo, uma semiautomática de calibre de 6.35 milímetros, colocou o carregador carregado com munições e, apontando-a na direção de José Delmar e Leonilde Almeida, que se encontravam a cerca de 3/4 metros de si, disparou por 3/4 vezes, tendo atingido Leonilde com, pelo menos, um disparo", descreve o MP.

Segundo a acusação, o homem detinha licença de uso e porte de arma, emitida pela PSP, acrescentando que o arguido transportava, habitualmente, a pistola no porta-luvas do táxi, e que a levava para casa no final do serviço.

A mulher morreu na sequência das várias lesões provocadas pelo disparo do arguido que a atingiu na zona do peito, e que, segundo o MP, "foram causa direta e necessária" da sua morte.

No momento em que o ex-companheiro imobilizou o arguido contra um muro, este ainda efetuou outros dois disparos na sua direção.


Lusa

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.