sicnot

Perfil

País

MP abre inquérito ao caso da mulher que se atirou com o filho ao rio em Barcelos

O Ministério Público determinou a abertura de um inquérito para investigação dos factos relacionados com o caso da mulher que hoje se terá atirado ao rio em Barcelos, com um filho de seis anos ao colo.

HUGO DELGADO

Em nota publicada no seu site, a Procuradoria-Geral Distrital do Porto acrescenta que a investigação foi deferida à Polícia Judiciária, por os factos "poderem integrar, em abstrato, a prática de infração criminal de natureza pública, nomeadamente o crime de homicídio qualificado, na forma tentada ou consumada".

Acrescenta que, relativamente à criança que se encontra desaparecida, "não está pendente ou arquivado processo de natureza tutelar cível ou de promoção e proteção, quer no tribunal quer na Comissão de Protecção de Crianças e Jovens da área da sua residência".

Uma mulher de 37 anos ter-se-á hoje atirado da ponte de Rio Covo Santa Eugénia, em Barcelos, com um filho ao colo.

A mulher foi resgatada da água por um popular, que para o efeito utilizou o seu barco.

Foi transportada para o Hospital de Braga, onde se encontra "consciente" embora apresente "alguns critérios de gravidade", continuando em avaliações.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.