sicnot

Perfil

País

Costa inaugura primeiro Espaço do Cidadão fora de Portugal em Paris

O primeiro Espaço do Cidadão fora de Portugal, que pretende facilitar o acesso a serviços como a carta de condução ou o registo criminal aos portugueses residentes no estrangeiro, é inaugurado hoje em Paris na presença do primeiro-ministro.

Trata-se do primeiro Espaço do Cidadão fora do território nacional e a sua abertura, no Consulado Geral de Portugal em Paris, contará com a presença do primeiro-ministro, António Costa, da secretária de Estado Adjunta e da Modernização Administrativa, Graça Fonseca, e do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro.

Neste local de prestação de serviços públicos essenciais, serão disponibilizados aos emigrantes portugueses 60 serviços de várias entidades da Administração Pública, nomeadamente serviços na área da Segurança Social Direta e do Centro Nacional de Pensões (como pedidos de apoios e prestações familiares, pedidos de pensão de velhice), na área da Saúde (como marcação de consultas, pagamento de impostos (como o IUC e o IMI) e outros serviços da Autoridade Tributária.

No Espaço do Cidadão podem também ser efetuados pedidos de renovação de carta de condução e a obtenção de certificados do registo criminal, que, segundo Graça Fonseca, são dois dos serviços mais procurados pelos portugueses que vivem na região de Paris.

Em declarações à agência Lusa, a governante sublinhou que, com a criação do Espaço do Cidadão, serviços que podiam demorar um mês, devido à necessidade de enviar o documentos por correio, passam a ser efetuados na hora, com a celeridade desejável.

O Espaço Cidadão em Paris concretiza e insere-se no Programa Simplex+ 2016, lançado pelo Governo a 19 de maio e que agregou 255 medidas de simplificação legislativa e administrativa a serem aplicadas até maio de 2017.

Foi inscrito no Programa, visando responder ao problema da morosidade nos tempos de resposta e atendimento nos processos administrativos.

O executivo estima que este novo Espaço do Cidadão venha a servir, potencialmente, os cerca de um milhão de portugueses que compõem a comunidade nacional residente em Paris.

O Espaço Cidadão é um projeto experimental e a utilização pelos portugueses que vivem em Paris será avaliado com o intuito de o expandir a outros consulados.

Graça Fonseca garantiu que o governo pretende instalar até final do ano mais um destes Espaços fora do território nacional, que poderá ser numa cidade europeia ou até fora da Europa, mas onde exista uma forte presença de portugueses, já que a ideia é o Estado português "chegar mais próximo" dos portugueses que vivem fora do país.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.