sicnot

Perfil

País

Mais de 40 pessoas detidas durante a noite pela GNR

A Guarda Nacional Republicana (GNR) deteve 43 pessoas, durante a noite e madrugada, a maioria por conduzir sob efeito de álcool, mas também por tráfico de droga e posse de arma, foi hoje anunciado.

Em comunicado, dando conta da sua atividade operacional nas últimas 12 horas, a GNR divulgou um conjunto de operações que efetuou entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje por todo o país, com vista a prevenir e combater a criminalidade violenta, bem como fiscalizar a circulação rodoviária.

Neste âmbito, foram detidas 43 pessoas em "flagrante delito", entre as quais 28 por condução sob o efeito do álcool, quatro por condução sem habilitação legal, três por tráfico de estupefacientes e duas por posse de arma proibida.

Entre as apreensões feitas pela GNR nesta operação, contam-se 88 doses de haxixe, 88 gramas de folhas de canábis, 38 comprimidos de LSD, seis doses de heroína, duas armas brancas e uma arma de fogo.

No que respeita à fiscalização rodoviária, a GNR detetou 505 infrações, entre as quais 77 por condução com taxa de álcool no sangue superior ao permitido por lei, 49 por excesso de velocidade, 30 por falta de cinto de segurança ou sistema de retenção para crianças, 11 por falta de seguro obrigatório, nove por uso do telemóvel durante a condução e três por infrações relacionadas com tacógrafos.

Relativamente à sinistralidade, foram registados 81 acidentes de viação, dos quais resultaram dois mortos, dois feridos graves e 14 feridos ligeiros.


Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras