sicnot

Perfil

País

Dois feridos em acidente de aeronave estão "clinicamente estáveis"

Os dois dos feridos graves no acidente com uma aeronave no domingo em Ferreira do Alentejo que se encontram internados no Hospital de São José, em Lisboa, estão "clinicamente estáveis, com prognóstico favorável", disse fonte hospitalar.

Em declarações à Lusa, a assessora do Hospital de São José, Fátima Palmeiro, limitou-se a dizer que os dois homens, um com 40 e outro com 45 anos, estão "clinicamente estáveis, com prognóstico favorável", escusando-se a revelar mais pormenores.

O acidente com a aeronave, que transportava oito pessoas, sete dos quais paraquedistas, causou a morte do piloto, um homem de nacionalidade belga, fez dois feridos graves, cidadãos portugueses que estão hospitalizados em Lisboa, e dois feridos ligeiros, duas mulheres que foram transportados para o Hospital de Beja. Os outros três paraquedistas não precisaram de assistência hospitalar.

De acordo com declarações prestadas domingo à Lusa pelo tenente-coronel José Rosa, do comando distrital de Beja da GNR, a aeronave envolvida no acidente, um modelo Pilatus PC6, com capacidade para dez pessoas, pertence à empresa Seven Air, grupo que detém a companhia aérea Aero Vip, concessionária das linhas aéreas regionais que ligam Bragança a Portimão e Porto Santo e Funchal.

A empresa, de acordo com a fonte do comando distrital de Beja da GNR, é igualmente responsável pela gestão do aeródromo de Figueira de Cavaleiros, no concelho de Ferreira do Alentejo, onde opera uma escola de paraquedismo civil.

A agência Lusa tentou o contacto com responsáveis do Grupo Seven Air, sem resultado.

A operação de socorro envolveu 56 operacionais, 22 veículos e dois helicópteros do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

  • Piloto morre em queda de aeronave em Ferreira do Alentejo
    3:43

    País

    Um acidente com uma aeronave em Figueira dos Cavaleiros, concelho de Ferreira do Alentejo, fez um morto e sete feridos, três deles com gravidade. A GNR e os bombeiros responderam a um alerta já depois das sete da tarde deste domingo, indicando que o avião de uma escola de paraquedismo começou a desfragmentar-se no ar e acabou por cair na zona de Canhestros. A vítima mortal é o piloto. Um dos feridos graves teve que ser transportado para o Hospital de São José, em Lisboa. Para o local, foram enviados duas dezenas de veículos de socorro, entre bombeiros, GNR e meios do INEM, incluindo um helicóptero para transportar um dos ocupantes, que esteve desaparecido e está em estado grave. A GNR delimitou a área estabelecendo um perímetro de segurança no sítio onde estão os destroços do aparelho. Manuel Reis, vereador da Câmara Municipal de Ferreira do Alentejo diz que ainda não se sabe o que terá estado na origem do acidente.

  • Queda de aeronave em Beja faz um morto e três feridos graves
    2:05

    País

    Uma aeronave civil de uma escola de paraquedistas explodiu em pleno voo, na zona de Canhestros, em Figueira dos Cavaleiros, em Beja. Há a lamentar a morto do piloto. Ao telefone Vítor Cabrita, da Proteção Civil de Beja, confirmou um morto e dois feridos graves. Entretanto há notícia de mais um ferido grave.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.