sicnot

Perfil

País

Gabriela Canavilhas garante que não pediu a demissão da jornalista do Público

Gabriela Canavilhas garante que não pediu a demissão da jornalista do Público

A deputada socialista e ex-ministra da Cultura Gabriela Canavilhas diz que não pediu a demissão da jornalista, mas continua a estranhar a cobertura que o jornal Público fez da manifestação em defesa da escola pública. À SIC, Canavilhas disse que o episódio suscita uma reflexão sobre a forma como se espera que os políticos se expressem publicamente.

O jornal Público já rejeitou ter avançado números falsos na notícia sobre a manifestação a favor da escola pública.

Em causa está a polémica em torno de Gabriela Canavilhas que defendeu a demissão de uma jornalista do Público, no Twitter.

A antiga ministra da Cultura criticou Clara Viana por ter escrito que 15 mil pessoas tinham estado na manifestação de sábado, em Lisboa.

A FENPROF garante que a marcha juntou 80 mil participantes.

Num editorial, o jornal Público diz que Gabriela Canavilhas "caiu na ratoeira dos números" e escreveu como se a opinião pessoal fosse um facto científico inquestionável.

  • Antiga ministra critica no Twitter cobertura das manifestações das escolas feita pelo Público

    País

    A antiga ministra da Cultura e deputada do PS, Gabriela Canavilhas, defende a demissão de uma jornalista do Público. Sobre a cobertura feita pelo jornal sobre as manifestações das escolas, Gabriela Canavilhas partilhou no Twitter o link do artigo da jornalista Clara Viana com uma pergunta "Esta jornalista ainda não foi despedida por escrever factos falsos?". A questão diz respeito aos números: a organização apontou 80 mil e o Público escreveu 15 mil. Mais tarde, Gabriela Canavilhas voltou a escreveu no Twitter sobre o caso dizendo que "reportagem e opinião não são a mesma coisa".

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagas as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Presidente da Câmara de Nova Iorque confirma "atentado terrorista falhado"
    0:29
  • Israel volta a bombardear posições do Hamas em Gaza

    Mundo

    O exército israelita voltou a bombardear esta segunda-feira posições do movimento Hamas na Faixa de Gaza em resposta ao lançamento de projéteis em direção a Israel pelas milícias palestinianas, informou um comunicado militar.

  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.