sicnot

Perfil

País

Segurança Social deixa sem prestações quase 377 mil desempregados

O Estado português atribuiu perto de 233 mil prestações de desemprego em maio, deixando sem estes apoios quase 377 mil desempregados, de acordo com as contas feitas pela agência Lusa com base nos últimos dados oficiais disponíveis.

SIC

Segundo os dados disponibilizados na página da Segurança Social na internet (www.seg-social.pt), em maio existiam 232.838 beneficiários de prestações de desemprego, menos 9.331 pessoas do que em abril e o equivalente a 38% do último número total de desempregados contabilizados pelo Instituto Nacional de Estatística (estimativas provisórias de abril).

Os últimos dados divulgados pelo INE, relativos a abril, contabilizavam um total de 609,8 mil desempregados, com a taxa de desemprego a situar-se nos 12% (inalterada face a março).

Das prestações contabilizadas pela Segurança Social, 115.251 referem-se a mulheres e as restantes 117.587 dizem respeito a homens.

Os números da Segurança Social incluem o subsídio de desemprego, subsídio social de desemprego inicial, subsídio social de desemprego subsequente e prolongamento do subsídio social de desemprego, prestações que atingiram em maio o valor médio de 449,14 euros, face aos 450,47 euros registados no mês anterior.


Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • O mapa das vítimas dos incêndios
    1:19

    País

    Aumentou para 37 o número de mortes na sequência dos fogos que assolaram a zona Centro do país desde o fim de semana. Feridos são pelo menos 71. Atualizamos aqui o mapa, segundo o último balanço da Proteção Civil.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • "Temos que cuidar dos feridos, temos que recuperar os territórios"
    1:02

    País

    O primeiro-ministro disse hoje que, depois das chamas apagadas, agora é o tempo de passar das palavras aos atos, de decidir e executar. Após uma visita a feridos dos incêndios, em Coimbra, António Costa confirmou que o Conselho de Ministros do próximo sábado vai transformar em medidas as recomendações feitas pela comissão técnica independente.

  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06