sicnot

Perfil

País

Alargamento da TDT prevê mais quatro canais

O ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, afirmou hoje que o alargamento da oferta na televisão digital terrestre (TDT) prevê mais quatro canais, dois públicos e dois para o setor privado.

"Estamos a pensar, como é sabido, alargar a televisão digital terrestre a mais dois canais para o setor público e dois canais que serão atribuídos depois", mas que "estarão abertos obviamente aos privados", afirmou o governante na comissão parlametnar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto.

Ou seja, no total serão mais quatro canais para a TDT, plataforma que é gerida pela Meo, da PT Portugal, e que atualmente disponibiliza em sinal gratuito a RTP1, RTP2, SIC, TVI e o canal Parlamento.

Castro Mendes respondia a uma questão do deputado do PSD, Pedro Pimpão, que questionou o ministro da Cultura, que tem a tutela da comunicação social, sobre o que estava previsto para este setor nos próximos tempos, tendo em conta a crise que atravessa.

"Na comunicação social, este Governo já alargou as verbas da Lusa de maneira" a que a agência de notícias "pudesse respirar e ganhar o seu papel importante de circulação das notícias entre os países de língua portuguesa" e também de dar notícias ao resto do mundo destes países, disse.

O governante reiterou a "vantagem" da Lusa relativamente a outras agências de notícias internacionais, nomeadamente no que respeita aos países africanos.

"Consideramos que a RTP tem uma boa administração", continuou o governante, salientando que a atual administração foi herdada do Executivo anterior.

"Estamos satisfeitos com os projetos que foram apresentados", acrescentou.

"Respeitamos e temos muita atenção às dificuldades da comunicação social, é um setor que está exposto ao grande desafio da digitalização e todas as empresas têm de saber responder a este desafio", disse.

Lusa

  • Conselho Geral Independente da RTP favorável ao aumento da oferta dos privados na TDT
    0:30

    País

    O Conselho Geral Independente da RTP mostrou-se hoje favorável ao aumento da oferta dos canais privados na Televisão Digital Terrestre e não apenas da televisão pública. No Parlamento, António Feijó, presidente do órgão que supervisiona as obrigações de serviço público, disse ter "absoluta hospitalidade" em relação aos operadores privados e defende que a inclusão de mais canais da SIC e da TVI na TDT pode favorecer o pluralismo.

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59