sicnot

Perfil

País

Inspeção ao Colégio Militar sem evidências de situações discriminatórias

Inspeção ao Colégio Militar sem evidências de situações discriminatórias

A inspeção realizada ao Colégio Militar, em maio, não identificou evidências da existência de situações discriminatórias com base na orientação sexual. Contudo, o relatório da inspeção sugere a adoção de medidas que permitam reforçar a deteção e a prevenção de situações de discriminação.

  • Colégio Miltar admitiu caso de assédio sexual na instituição
    2:05

    País

    A direção do Colégio Militar garante que nunca discriminou alunos por causa da orientação sexual. Contudo, no Parlamento, o diretor de Educação de Doutrina do Exército admitiu a existência de um caso de assédio sexual na instituição. A Associação de Pais e Encarregados de Educação desconhece qualquer tipo de discriminação no colégio Militar.

  • Colégio Militar nega discriminação a alunos homossexuais
    1:57

    País

    A direção do Colégio Militar garante que não há discriminação devido à orientação sexual dos alunos. O Major-general Joaquim Alves Ferreira foi ouvido hoje no Parlamento, onde disse que a interpretação das declarações do antigo major, que referia que os alunos homossexuais eram excluídos, foi um problema de criatividade jornalística. O regulamento do colégio militar, aprovado em 2015, considera os afetos como infrações muito graves.

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • Estarão os portugueses a consumir vitamina D em excesso? 
    6:44
  • Investigadores criam nanovacina contra diferentes cancros

    Mundo

    Investigadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nanovacina (vacina administrada através de partículas microscópicas) contra diferentes cancros, como o da pele, do cólon e do reto, numa experiência com ratos, revela um estudo publicado esta segunda-feira.