sicnot

Perfil

País

Desde o início do ano já emigraram 184 médicos à procura de melhores salários

Nos primeiros cinco meses do ano, emigraram 184 médicos, na sua maioria jovens, que escolheram como destino outros países europeus, na procura de melhores salários, revelam dados da Ordem dos Médicos (OM).

© Regis Duvignau / Reuters

Mais de metade dos médicos que decidiu ir trabalhar para o estrangeiro estava inscrita na Secção Regional do Sul, que, entre janeiro e maio, emitiu 109 "Good Standing Certificates", o certificado que é exigido para apresentar a entidades estrangeiras, quando se pretende trabalhar ou estagiar fora do país.

No mesmo período, a Secção Regional do Norte emitiu 101 certificados, mas apenas 59 médicos emigraram.

A Secção do Centro entregou apenas 16 "Good Standing".

No total, emigraram 184 médicos, o que dá um valor médio inferior ao registado em 2015: no ano passado, a média mensal de médicos emigrados foi de 39,5, enquanto este ano a média é de 36,8 médicos por mês.

A maioria dos que optam por trabalhar lá fora é jovem: no norte mais de metade dos emigrantes (54%) tinha menos de 35 anos e, entre os profissionais da região centro, a percentagem subiu aos 68%.

No sul, dos 109 que emigraram, 54 tinham, no máximo, 34 anos (49,5%), mas houve outros 29 profissionais que, quando saíram do país, tinham idades compreendidas entre os 35 e os 44 anos.

Na procura de um futuro melhor no estrangeiro, as mulheres destacam-se ligeiramente, segundo os dados da OM, que mostram que, no sul, emigraram 62 mulheres e 47 homens e, no norte, 54% dos emigrantes eram do sexo feminino, contra 45% do sexo masculino.

"De um modo geral, as razões para a emigração são as melhores condições de trabalho (melhor salário). É de notar que os médicos que estão a realizar a especialidade no estrangeiro estão na especialidade pretendida, na qual não tinham conseguido entrar em Portugal", segundo uma explicação dada à Lusa, por correio eletrónico, pela Secção Regional do Norte da OM.

Os dados revelam ainda que a maioria escolhe países da União Europeia como destino, com destaque para o Reino Unido, França, Espanha, Suécia, Suíça ou Alemanha.

A especialidade escolhida por estes profissionais é muito variada, indo de Medicina Geral e Familiar (cerca de 13%), a Pediatria e Psiquiatria (ambos com uma representação de cerca de 6% do total de emigrantes), a Anestesiologia, Cardiologia e Cirurgia Geral - as três especialidades com menos de 2% das escolhas.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.