sicnot

Perfil

País

Impactos negativos dos incêndios podem diminuir se previsões melhorarem

Investigadores do Instituto Superior de Agronomia de Lisboa concluíram que os impactos negativos dos incêndios florestais podem ser diminuídos, caso se melhorem as previsões, como a velocidade e direção do vento, humidade, temperatura e tipo de vegetação.

© Handout . / Reuters

"É necessário melhorar as previsões do comportamento dos incêndios florestais, de forma a diminuir os seus impactos", refere um estudo coordenado pelo Centro de Estudos Florestais (CEF) do Instituto Superior de Agronomia (ISA), de Lisboa, publicado na revista "Science of The Total Environment".

"O que nós fizemos foi quantificar a incerteza em cada uma das variáveis mais importantes - quantidade e direção do vento, humidade, temperatura e combustíveis - e tentar perceber de que maneira, aquilo que nós não sabemos sobre essas variáveis, influenciava a qualidade das nossas previsões", disse, à agência Lusa, um dos investigadores do estudo, Akli Benali.

O estudo mostra que "melhorar estas previsões, tornando-as fiáveis e úteis para a sociedade, é um passo importante para antecipar o comportamento dos fogos, e diminuir os seus impactos negativos".

O estudo foi feito tendo por base a incerteza nas variáveis e o seu impacto nas previsões comparando os dados de satélite em oito grandes fogos que ocorreram em Portugal entre 2003 e 2005.

Os resultados mostraram que as incertezas na velocidade e direção do vento, atribuição e tipologia dos modelos de combustível (vegetação) e a localização e 'timing' das ignições têm grandes impactos na qualidade das previsões.

"Estamos a fazer todo o trabalho de base para que eventualmente um dia se consiga fazer previsões em tempo real de para onde é que o fogo vai propagar e de que maneira. No futuro vai ajudar", adiantou Akli Benali.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.