sicnot

Perfil

País

Mais de metade dos inquiridos em estudo sobre adição à internet apresentavam risco

Mais de metade dos inquiridos num estudo sobre adição à internet em Portugal apresentavam "risco elevado" e "médio risco" de desenvolver este problema, com "vários prejuízos negativos" na vida destas pessoas.

Arquivo

Arquivo

© Kai Pfaffenbach / Reuters

O estudo, que decorreu entre agosto de 2014 e maio de 2015 e envolveu 641 internautas portugueses, visou "adaptar para Portugal uma metodologia científica que auxilie o diagnóstico da adição internet em contexto clínico", disse à agência Lusa o coordenador da investigação, Halley Pontes.

Procurou também caracterizar os padrões comportamentais online referentes ao uso "excessivo e disfuncional" da internet, adiantou o investigador da Nothingham Trent University, no Reino Unido.

O estudo, que foi publicado na revista Computers in Human Behavior, conclui que 12,6% dos inquiridos apresentavam "risco elevado" de desenvolvimento da adição à internet, 40,7% "médio risco" e 46,7% "risco reduzido".

"Se considerarmos a população em Portugal, isto significa que dos 10.562.178 residentes, cerca de 1.330.834 portugueses poderão estar em situação de elevada vulnerabilidade e risco de virem a desenvolver adição à Internet futuramente", advertiu Halley Pontes.

O investigador explicou que esta dependência pode ser resultado do "contexto comunicacional único oferecido pela internet", mas também, e na maior parte das vezes, do "uso excessivo e problemático" de conteúdos e aplicações específicos, como conteúdos para adultos, apostas online, videojogos, entre outros.

Analisando os resultados do estudo, o psicólogo clínico disse que demonstram que existe "um conjunto de variáveis e padrões de utilização da internet que fazem com que as pessoas não estejam necessariamente com adição à internet".

"Mas só o facto de utilizarem essa ferramenta de um modo descontrolado e com certos objetivos específicos faz com que essas pessoas se tornem alvos mais fáceis para virem a desenvolver este problema", acrescentou.

Para Halley Pontes, estes dados "são preocupantes", no sentido de que, "ao mínimo problema que possa surgir", estas pessoas "poderão resvalar para uma via mais psicopatológica".

Caracterizando os utilizadores com "risco elevado" de desenvolver dependência, o investigador disse que apresentam um padrão de uso da Internet de "automedicação".

"Utilizam a internet para se sentirem melhor e fugirem a estados de humor desfavoráveis, depressivos", explicou.

Por outro lado, usam a Internet de "um modo compulsivo e desregulado" que agrava os sintomas de adição e exibem "uma constante preocupação" com o uso dessa ferramenta que domina a sua vida.

Estes utilizadores apresentavam mais "consequências negativas" resultantes do uso da internet em vários contextos, como o educacional, profissional, familiar, e até mesmo a nível da saúde física e mental.

O estudo aponta ainda que os rapazes e os homens que utilizam a internet com "elevada intensidade diária" e que apresentam problemas de depressão, ansiedade e o stress são "os mais predispostos a desenvolverem adição à Internet", embora também possa ocorrer nas mulheres.

Lusa