sicnot

Perfil

País

Parlamento aprova novo pedido de audição de Miguel Relvas sobre banco Efisa

O parlamento aprovou hoje o novo pedido de audição do ex-ministro Miguel Relvas sobre o banco Efisa, com o PS a garantir que desta vez não estará disponível para enviar as perguntas por escrito.

Miguel Relvas

Miguel Relvas

LUSA/ ARQUIVO

"O requerimento foi aprovado com os votos a favor do PS, BE e PCP, a abstenção do CDS-PP e o voto contra do PSD. Mas desta vez não estamos disponíveis para apresentar perguntas", disse à agência Lusa o deputado socialista João Paulo Correia.

A mesa da comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa vai procurar agendar a audição com o ex-ministro, mas a prestação de esclarecimentos por parte de Miguel Relvas em sede de comissão é voluntária, o que significa que o social-democrata só o fará se assim decidir.

Esta é a segunda vez que o PS pede a audição do ex-ministro, depois de Miguel Relvas ter respondido por escrito às questões colocadas pelos parlamentares, com o PS a considerar que os esclarecimentos prestados não foram suficientes.

"Miguel Relvas respondeu não respondendo às perguntas colocadas pela comissão de Orçamento e Finanças", disse há duas semanas o deputado socialista João Paulo Correia, justificando assim o novo pedido de audição do ex-ministro.

E concretizou: "Miguel Relvas não pode continuar a fugir do parlamento para não prestar esclarecimentos e [deve] prestar toda a informação sobre as suspeitas que recaem sobre o seu eventual envolvimento num negócio que nos parece mais uma negociata".

A questão da relação entre Miguel Relvas e o Efisa - banco de investimento do antigo BPN - colocou-se depois de ser conhecido que o ex-ministro é candidato a ser acionista da sociedade que comprou o Efisa, a Pivot SGPS, estando à espera dessa autorização pelo Banco de Portugal. Isto porque o político integrava o governo PSD/CDS-PP que decidiu a recapitalização pública do Efisa por 90 milhões de euros para depois o vender - esta privatização foi ganha pela sociedade Pivot SGPS por 38 milhões de euros.

Para esclarecer esta situação, Miguel Relvas aceitou responder por escrito aos deputados da Comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA).

Nas respostas a perguntas do PS, texto a que a Lusa teve acesso, Miguel Relvas garante que no governo não teve qualquer ligação com os processos ligados ao Efisa.

"Não fui responsável pelo processo de reprivatização do Banco Efisa", afirmou, acrescentando ainda que as sociedades estatais Parvalorem e Parparticipadas, que detinham e venderam o Efisa, eram tuteladas pelo Ministério das Finanças, pasta com a qual não tinha "responsabilidades" no governo.

Os socialistas frisam contudo que houve "duas respostas diferentes" entre Relvas e a antiga secretária de Estado do Tesouro Isabel Castelo Branco, que aceitou vir ao parlamento falar sobre o tema.

"Apelamos para que os deputados de PSD e CDS possam acompanhar este requerimento e também exortar Miguel Relvas, ex-ministro e cidadão com responsabilidades acrescidas, a que venha ao parlamento de uma vez por todas responder às questões que os portugueses querem ver esclarecidas", sublinhou na altura o deputado do PS João Paulo Correia.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.