sicnot

Perfil

País

Procurador Orlando Figueira em prisão domiciliária com pulseira eletrónica

O Tribunal da Relação de Lisboa alterou hoje para prisão domiciliária com pulseira eletrónica a medida de coação do procurador Orlando Figueira, que estava em prisão preventiva no processo "Operação Fizz" por suspeita de corrupção e outros crimes.

Fonte do Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) precisou à agência Lusa que o recurso da defesa de Orlando Figueira foi parcialmente provido, tendo este tribunal superior alterado de prisão preventiva para obrigação de permanência na habitação com pulseira eletrónica a medida de coação a aplicar a Orlando Figueira.

O relator da decisão do TRL foi o juiz desembargador Almeida Cabral e o adjunto Rui Rangel.

O antigo magistrado do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) estava há mais de três meses em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Évora, depois daquela medida de coação mais gravosa ter sido recentemente reavaliada e mantida por uma juiza de instrução criminal, que considerou haver o perigo de perturbação da tranquilidade e da ordem pública, o perigo de fuga e de alarme social.

Orlando de Jesus Cabanas Figueira está indiciado por corrupção passiva na forma agravada, branqueamento de capitais e falsidade informática.

Orlando Figueira, que está de licença sem vencimento desde 2012, foi detido no âmbito da "Operação Fizz".

Em Setembro de 2012 tirou licença sem vencimento de longa duração e mudou-se para a área de "compliance do BCP", tendo posteriormente passado a consultor do Activo Bank.

As suspeitas prendem-se com alegadas luvas que terá recebido para arquivar no DCIAP processos ligados a importantes figuras do regime angolano, incluindo o atual vice-presidente de Angola, Manuel Vicente.

Orlando Figueira foi o procurador responsável pelos processos "BES Angola" e "Caso Banif", que arquivou, relacionados com capitais angolanos

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59