sicnot

Perfil

País

Procurador Orlando Figueira em prisão domiciliária com pulseira eletrónica

O Tribunal da Relação de Lisboa alterou hoje para prisão domiciliária com pulseira eletrónica a medida de coação do procurador Orlando Figueira, que estava em prisão preventiva no processo "Operação Fizz" por suspeita de corrupção e outros crimes.

Fonte do Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) precisou à agência Lusa que o recurso da defesa de Orlando Figueira foi parcialmente provido, tendo este tribunal superior alterado de prisão preventiva para obrigação de permanência na habitação com pulseira eletrónica a medida de coação a aplicar a Orlando Figueira.

O relator da decisão do TRL foi o juiz desembargador Almeida Cabral e o adjunto Rui Rangel.

O antigo magistrado do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) estava há mais de três meses em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Évora, depois daquela medida de coação mais gravosa ter sido recentemente reavaliada e mantida por uma juiza de instrução criminal, que considerou haver o perigo de perturbação da tranquilidade e da ordem pública, o perigo de fuga e de alarme social.

Orlando de Jesus Cabanas Figueira está indiciado por corrupção passiva na forma agravada, branqueamento de capitais e falsidade informática.

Orlando Figueira, que está de licença sem vencimento desde 2012, foi detido no âmbito da "Operação Fizz".

Em Setembro de 2012 tirou licença sem vencimento de longa duração e mudou-se para a área de "compliance do BCP", tendo posteriormente passado a consultor do Activo Bank.

As suspeitas prendem-se com alegadas luvas que terá recebido para arquivar no DCIAP processos ligados a importantes figuras do regime angolano, incluindo o atual vice-presidente de Angola, Manuel Vicente.

Orlando Figueira foi o procurador responsável pelos processos "BES Angola" e "Caso Banif", que arquivou, relacionados com capitais angolanos

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.