sicnot

Perfil

País

Horário dos exames está desajustado dos ciclos do sono

Um estudo da Universidade de Aveiro hoje divulgado conclui que os exames nacionais deveriam começar apenas a partir das 10:30 e os horários das aulas deviam ser ajustados, para melhorar o rendimento escolar.

Arquivo Reuters

Arquivo Reuters

REUTERS

"O conhecimento científico sobre o sono permite afirmar com segurança que os exames para alunos que já entraram na puberdade não se devem iniciar logo nas primeiras horas da manhã. Estes poderiam e deveriam começar a partir das 10:30, e não antes, no caso de exames de uma hora e meia, acrescidos de tolerância para estudantes com necessidades educativas especiais", conclui Ana Allen Gomes, investigadora do Departamento de Educação e Psicologia da Universidade de Aveiro.

Psicóloga e especialista em distúrbios do sono, Ana Allen Gomes aponta igualmente para o desajuste dos horários escolares, a partir do 2º ciclo do ensino básico (CEB), com aulas a começarem cedo "em contradição com aquilo que é a tendência oposta na puberdade, período onde a fisiologia humana impele os adolescentes a deitarem-se e a acordarem mais tarde".

Autora principal de um estudo sobre o horário e a duração do sono das crianças portuguesas, a investigadora garante que, apesar destas dormirem um número de horas recomendado, estão no limite mínimo.

Ana Allen Gomes questiona que exista "evidência científica suficiente que sustente o favorecimento de provas ao início da manhã, como em geral sucede".

O que é indicado é que a marcação de exames deveria, a partir da adolescência, recair no período da tarde, com início às 15:00, o que dará a adolescentes e jovens adultos "mais oportunidades de obter uma duração de sono adequada na véspera do exame".

Da mesma forma, e em relação aos horários escolares, Ana Allen Gomes considera que "deixam de estar ajustados" pelo menos a partir do 2º Ciclo do Ensino Básico: "não se compreende por que motivo, à medida que a criança se torna mais velha e se aproxima da puberdade, os horários escolares se iniciem mais cedo, o que está em contradição com aquilo que é a tendência oposta com a entrada na puberdade, que é a de atraso do sistema circadiano, como é exemplo o ritmo sono-vigília, com tendência para o adolescente se deitar e levantar mais tarde", diz.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.