sicnot

Perfil

País

Marcelo condecora Ramalho Eanes com Grande-colar da Ordem do Infante D. Henrique

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai condecorar na segunda-feira o general Ramalho Eanes com o Grande-Colar da Ordem do Infante D. Henrique no âmbito das comemorações do 40º aniversário das primeiras eleições presidenciais em democracia.

NUNO VEIGA

Em comunicado, a Presidência informa que a cerimónia pública de condecoração vai decorrer na Fundação Calouste Gulbenkian, na segunda-feira, a partir das 10:00.

A Ordem do Infante D. Henrique visa distinguir pessoas que prestaram serviços relevantes a Portugal, no país e no estrangeiro, assim como serviços na expansão da cultura portuguesa ou para conhecimento de Portugal, da sua história e valores.

O Grande-Colar da Ordem do Infante D. Henrique é o mais alto grau da Ordem e é concedido pelo Presidente da República a chefes de Estado estrangeiros.

O Grande-Colar pode ainda ser concedido pelo Presidente da República a antigos chefes de Estado e a pessoas cujos feitos, de natureza extraordinária e especial relevância para Portugal, os tornem merecedores dessa distinção.

O general Ramalho Eanes foi o 14º Presidente da República e foi eleito a 14 de julho de 1976 à primeira volta com 61,59% dos votos.

A cerimónia de condecoração do general Ramalho Eanes encerra um conjunto de iniciativas promovidas pela Presidência da República para assinalar a efeméride, incluindo encontros com jovens em Évora e Castelo Branco.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43