sicnot

Perfil

País

Miguel Relvas com "disponibilidade total" para voltar a responder por escrito ao parlamento

O ex-ministro Miguel Relvas manifestou a sua "disponibilidade total" para "voltar a responder por escrito" a novas questões sobre o banco Efisa no parlamento, segundo carta enviada à comissão parlamentar, a que Lusa teve hoje acesso.

Miguel Relvas

Miguel Relvas

LUSA/ ARQUIVO

A 22 de junho, o parlamento aprovou o novo pedido de audição do ex-governante sobre o banco Efisa, com o PS a garantir que desta vez não estará disponível para enviar as perguntas por escrito.

"Reitero a minha disponibilidade total para colaborar com a comissão (de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa) a que preside e com o parlamento", escreveu Miguel Relvas, numa carta enviada a Teresa Leal Coelho, datada de 22 de junho.

"Faço-o com o máximo sentido de responsabilidade e tendo bem noção de que é meu dever colaborar com as instituições, em particular com o parlamento, coração da democracia", prosseguiu.

"Esta minha vontade implica responsabilidade e não quero contribuir para que questões partidárias impliquem com o integral esclarecimento de todos os factos, não quero fazer parte de uma lógica em que o espetáculo se sobrepõe à verdade", acrescentou Miguel Relvas.

"Tenho assistido, à distância que a minha vida profissional permite, ao desenrolar dos trabalhos da comissão relativos ao processo do banco Efisa. Respondi com rigor às questões que me foram colocadas. E assisti também à audição da senhora dra. Isabel Castelo Branco, pretérita secretária de Estado do Tesouro, que me pareceu - e pelos vistos à comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa -, global, cabal e esclarecedora", considerou.

No entanto, "e porque quero que a verdade vença - sem dúvida e sem obstáculo -, mantenho toda a disposição para, caso julgue útil, voltar a responder por escrito a novas questões que possam ter surgido no âmbito das inquirições em curso", concluiu Miguel Miranda Relvas.

O requerimento para a audição do ex-governante foi aprovado com os votos a favor do PS, BE e PCP, a abstenção do CDS-PP e o voto contra do PSD.

A mesa da comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa ia procurar agendar a audição com o ex-ministro, mas a prestação de esclarecimentos por parte de Miguel Relvas em sede de comissão é voluntária, o que significa que o social-democrata só o fará se assim decidir.

Esta é a segunda vez que o PS pede a audição do ex-ministro, depois de Miguel Relvas ter respondido por escrito às questões colocadas pelos parlamentares, com o PS a considerar que os esclarecimentos prestados não foram suficientes.

A questão da relação entre Miguel Relvas e o Efisa - banco de investimento do antigo BPN - colocou-se depois de ser conhecido que o ex-ministro é candidato a ser acionista da sociedade que comprou o Efisa, a Pivot SGPS, estando à espera dessa autorização pelo Banco de Portugal. Isto porque o político integrava o governo PSD/CDS-PP que decidiu a recapitalização pública do Efisa por 90 milhões de euros para depois o vender - esta privatização foi ganha pela sociedade Pivot SGPS por 38 milhões de euros.

Lusa

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.