sicnot

Perfil

País

Miguel Relvas com "disponibilidade total" para voltar a responder por escrito ao parlamento

O ex-ministro Miguel Relvas manifestou a sua "disponibilidade total" para "voltar a responder por escrito" a novas questões sobre o banco Efisa no parlamento, segundo carta enviada à comissão parlamentar, a que Lusa teve hoje acesso.

Miguel Relvas

Miguel Relvas

LUSA/ ARQUIVO

A 22 de junho, o parlamento aprovou o novo pedido de audição do ex-governante sobre o banco Efisa, com o PS a garantir que desta vez não estará disponível para enviar as perguntas por escrito.

"Reitero a minha disponibilidade total para colaborar com a comissão (de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa) a que preside e com o parlamento", escreveu Miguel Relvas, numa carta enviada a Teresa Leal Coelho, datada de 22 de junho.

"Faço-o com o máximo sentido de responsabilidade e tendo bem noção de que é meu dever colaborar com as instituições, em particular com o parlamento, coração da democracia", prosseguiu.

"Esta minha vontade implica responsabilidade e não quero contribuir para que questões partidárias impliquem com o integral esclarecimento de todos os factos, não quero fazer parte de uma lógica em que o espetáculo se sobrepõe à verdade", acrescentou Miguel Relvas.

"Tenho assistido, à distância que a minha vida profissional permite, ao desenrolar dos trabalhos da comissão relativos ao processo do banco Efisa. Respondi com rigor às questões que me foram colocadas. E assisti também à audição da senhora dra. Isabel Castelo Branco, pretérita secretária de Estado do Tesouro, que me pareceu - e pelos vistos à comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa -, global, cabal e esclarecedora", considerou.

No entanto, "e porque quero que a verdade vença - sem dúvida e sem obstáculo -, mantenho toda a disposição para, caso julgue útil, voltar a responder por escrito a novas questões que possam ter surgido no âmbito das inquirições em curso", concluiu Miguel Miranda Relvas.

O requerimento para a audição do ex-governante foi aprovado com os votos a favor do PS, BE e PCP, a abstenção do CDS-PP e o voto contra do PSD.

A mesa da comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa ia procurar agendar a audição com o ex-ministro, mas a prestação de esclarecimentos por parte de Miguel Relvas em sede de comissão é voluntária, o que significa que o social-democrata só o fará se assim decidir.

Esta é a segunda vez que o PS pede a audição do ex-ministro, depois de Miguel Relvas ter respondido por escrito às questões colocadas pelos parlamentares, com o PS a considerar que os esclarecimentos prestados não foram suficientes.

A questão da relação entre Miguel Relvas e o Efisa - banco de investimento do antigo BPN - colocou-se depois de ser conhecido que o ex-ministro é candidato a ser acionista da sociedade que comprou o Efisa, a Pivot SGPS, estando à espera dessa autorização pelo Banco de Portugal. Isto porque o político integrava o governo PSD/CDS-PP que decidiu a recapitalização pública do Efisa por 90 milhões de euros para depois o vender - esta privatização foi ganha pela sociedade Pivot SGPS por 38 milhões de euros.

Lusa

  • Militar ferido com gravidade em acidente com Pandur
    1:19

    País

    O acidente em Vila Real que envolveu uma viatura militar fez três feridos. Uma das vítimas ficou em estado grave e teve de ser transportada de helicóptero para o Hospital Santo António do Porto. O militar ficou encarcerado no veículo blindado, o que dificultou os trabalhos de socorro.

  • Ricardo Salgado constituído arguido e interrogado no DCIAP
    2:46

    Operação Marquês

    O ex-presidente do BES está a ser ouvido no DCIAP, a responder às questões do procurador Rosário Teixeira e do inspetor da Autoridade Tributária Paulo Silva. Têm sido levantadas dúvidas quanto ao dinheiro em contas de Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates, e suspeita-se que grande parte desses 20 milhões de euros tenham vindo de sociedades com ligação ao grupo Espírito Santo.

  • Bebé nasce na Ucrânia com ADN de três pais

    Mundo

    Nasceu a 5 de janeiro, na Ucrânia, uma menina filha de um casal infértil graças à ajuda de uma nova técnica de fertilização in vitro, que conta com a colaboração de uma terceira pessoa. De acordo com o britânico The Times, os médicos utilizaram pela primeira vez um método denominado transferência pronuclear. Esta não é, contudo, a primeira vez que nasce um bebé com ADN de três progenitores.

  • CIA desvenda segredos de quase 50 anos de História

    Mundo

    A CIA publicou online quase 12 milhões de documentos confidenciais. Basta uma ligação à Internet para navegar por entre 50 anos de relatórios outrora secretos. Entre os milhões de páginas, estão documentos sobre um eventual assassínio de Fidel Castro, detalhes sobre os crimes de guerra nazis, relatórios sobre avistamentos de OVNI e um estudo sobre telepatia denominado "Projeto Star Gate".