sicnot

Perfil

País

Homem condenado a dois anos e 10 meses de prisão com pena suspensa por agredir pais

O Tribunal de Vila Nova de Gaia condenou um homem a dois anos e 10 meses de prisão, suspensa na sua execução, por agredir física e verbalmente os seus pais, já idosos, adiantou a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) do Porto.

(Arquivo/SIC)

(Arquivo/SIC)

O arguido, de 21 anos, que residia com os pais em Vilar do Paraíso, em Gaia, ficou ainda sujeito à obrigação de frequência de programas específicos de prevenção da violência doméstica, frisou.

De acordo com informação da PGD, o tribunal deu como provado que o arguido socou e pontapeou os pais porque estes não atendiam aos seus desejos, rebentou a pontapé portas de divisões da casa onde estes se escondiam e continuou a atormenta-los, mesmo depois de ter sido expulso da habitação pelos progenitores.

O homem vivia com e por conta dos pais e, entre 2011 até 27 de novembro de 2015, data em que foi detido e submetido a prisão preventiva -- medida de coação mais gravosa -- protagonizou contra eles vários episódios de violência física e verbal, sustentou.

Contudo, a ausência de antecedentes criminais, a confissão parcial dos factos, o arrependimento que revelou, a ocupação laboral que teve enquanto cumpriu pena de prisão e o relacionamento cordato que passou a manter com o seu pai foram determinantes para a suspensão da pena, acrescentou a Procuradoria.

Lusa

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32