sicnot

Perfil

País

Homem condenado a dois anos e 10 meses de prisão com pena suspensa por agredir pais

O Tribunal de Vila Nova de Gaia condenou um homem a dois anos e 10 meses de prisão, suspensa na sua execução, por agredir física e verbalmente os seus pais, já idosos, adiantou a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) do Porto.

(Arquivo/SIC)

(Arquivo/SIC)

O arguido, de 21 anos, que residia com os pais em Vilar do Paraíso, em Gaia, ficou ainda sujeito à obrigação de frequência de programas específicos de prevenção da violência doméstica, frisou.

De acordo com informação da PGD, o tribunal deu como provado que o arguido socou e pontapeou os pais porque estes não atendiam aos seus desejos, rebentou a pontapé portas de divisões da casa onde estes se escondiam e continuou a atormenta-los, mesmo depois de ter sido expulso da habitação pelos progenitores.

O homem vivia com e por conta dos pais e, entre 2011 até 27 de novembro de 2015, data em que foi detido e submetido a prisão preventiva -- medida de coação mais gravosa -- protagonizou contra eles vários episódios de violência física e verbal, sustentou.

Contudo, a ausência de antecedentes criminais, a confissão parcial dos factos, o arrependimento que revelou, a ocupação laboral que teve enquanto cumpriu pena de prisão e o relacionamento cordato que passou a manter com o seu pai foram determinantes para a suspensão da pena, acrescentou a Procuradoria.

Lusa

  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.

  • PJ de Portimão deteve italiano foragido
    0:55

    País

    A Polícia Judiciária de Portimão deteve em Lagos um homem italiano que aguardava extradição. O antigo piloto de automóveis esteve foragido durante quase um ano, depois de ter cortado a pulseira eletrónica.