sicnot

Perfil

País

Provedor de Justiça recomenda que apresentação anual do registo criminal termine

O provedor de Justiça recomendou que os trabalhadores que exerçam atividade junto de crianças deixem de ser obrigados a apresentar anualmente o certificado de registo criminal e que isso passe a ser feito pelas autoridades judiciárias.

Assembleia da República

Assembleia da República

MANUEL DE ALMEIDA

A recomendação foi feita à Assembleia da República e surge depois de José de Faria Costa ter recebido "diversas queixas apresentadas por trabalhadores em funções públicas" a contestar o facto de todos os anos terem de apresentar às entidades empregadoras o certificado de registo criminal.

O documento data do início do mês e nele o provedor de Justiça defende que a obrigatoriedade anual seja substituída "por meios de comunicação da condenação pela prática de crimes contra a autodeterminação e a liberdade sexual dos menores".

Quer isto dizer que para José de Faria Costa faria mais sentido que em vez dos trabalhadores serem obrigados à apresentação anual do registo, fossem as autoridades judiciárias a fazer a comunicação, às entidades empregadoras, "das decisões judiciais relevantes neste domínio".

"A alteração proposta afigura-se a que melhor concilia, à luz de critérios de razoabilidade, eficiência e celeridade, não apenas os interesses dos trabalhadores (em funções públicas e privadas), dos voluntários e das entidades empregadoras ou promotoras, com os interesses públicos em presença", defende o provedor de Justiça.

José de Faria Costa salienta que a legislação nacional vai para lá do que é exigido pelas normas internacionais, nomeadamente a Convenção do Conselho da Europa para a Proteção das Crianças contra a Exploração Sexual e os Abusos Sexuais, que impõem a obrigação de apresentação do registo criminal no momento do recrutamento e seleção dos trabalhadores ou voluntários.

Nesse sentido, refere que o legislador nacional "optou por impor a apresentação do certificado de registo criminal não apenas no momento do recrutamento e seleção dos trabalhadores, mas durante toda a vigência da relação jurídico-laboral ou da relação de colaboração em regime de voluntariado".

O provedor entende, por isso, que as imposições legais nacionais vão "para lá do que é imposto pelo direito internacional e pelo direito da União Europeia" e sublinha que a emissão anual de certificados de registo criminal é não só onerosa para os cidadãos como para os serviços públicos.

Já neste mês, o Sindicato Democrático dos Professores dos Açores tinha contestado a "determinação imposta" pelo Ministério da Educação de serem os professores a requerer o certificado de registo criminal, alegando os custos que lhe estão associados e lembrando que a lei permite que os dados estejam acessíveis numa plataforma.

No ano passado, em novembro, a Federação Nacional de Professores (FNE) exigiu que fosse facilitado o processo de obtenção do certificado e que os professores ficassem isentos do pagamento de qualquer taxa.

A proposta surgiu no seguimento da alteração legislativa, ocorrida em finais de agosto, que veio tornar obrigatório a apresentação anual de um certificado de registo criminal por parte de todos os trabalhadores que têm contacto direto com menores, já que até então só era necessário no momento do recrutamento.

Na mesma altura, a Federação Nacional de Professores (Fenprof) alertava que os pedidos de certidão estavam a entupir os tribunais e que estava a haver violação de dados pessoais, já que os tribunais estariam a enviar aos professores certidões com, não só a informação necessária, mas também dados alheios ao exercício da profissão

Lusa

  • Ministra tem condições para ficar?
    1:57
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • José teve de comprar um gerador para continuar a dar de beber às galinhas
    2:10
  • A primeira moção de censura ao fim de quase dois anos
    1:42

    País

    O CDS-PP avançou com uma moção de censura ao Governo, perante o que chama de falha do Governo na proteção das pessoas. O PSD apoia a iniciativa. António Costa fala num ato natural da democracia. Esta é a primeira moção de censura que o Governo socialista enfrenta ao fim de quase dois anos de mandato.

  • "Agora é tempo de decidir e executar"
    1:27

    País

    O primeiro-ministro reuniu-se esta terça-feira com os autarcas das zonas mais afetadas pelos incêndios e visitou os feridos, que continuam internados no Hospital de Coimbra. António Costa diz que o tempo das respostas começa agora.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.