sicnot

Perfil

País

Casos de mães que matam os filhos

Casos de mães que matam os filhos

Nos últimos tempos têm ocorrido muitos casos de mães que matam os filhos. Há pouco mais de uma semana, uma mulher de 37 anos atirou-se da ponte sobre o rio Cávado com o filho de seis anos. A mãe de Barcelos foi resgatada, mas a criança foi encontrada morta no dia a seguir. Em fevereiro, Sónia Lima entrou no Tejo com as duas filhas, que morreram afogadas. O Tribunal do Porto condenou a oito anos e três meses de prisão a mulher que em 2009 se atirou da Ponte D. Luís com o filho. Novamente, a mãe foi salva e a criança morreu. Em fevereiro de 2013, uma professora de artes visuais matou os dois filhos de 12 e 13 anos com ansiolíticos.

  • Mulher que se atirou com o filho para o rio Cávado apresentava sinais de depressão
    2:14

    País

    A mulher que atirou o filho para a morte já tinha tentado fazê-lo antes. Há menos de uma semana, Susana Pereira quis saltar da ponte medieval de Barcelos com os dois filhos mas foi travada por populares. Os psicólogos dizem que nestes casos é preciso analisar a pessoa e o contexto familiar para tentar encontrar uma explicação para um ato que parece sempre inexplicável.

  • Menores arrastados para a morte
    2:00

    País

    A Polícia Judiciária está a investigar o caso da mulher que alegadamente se atirou ao rio em Barcelos com um filho ao colo. Recentemente registaram-se outros casos de mães que procuraram pôr termo à vida, juntamente com os filhos. Um deles, aconteceu em Caxias, no passado mês de fevereiro.

  • Roger Moore, o ator que foi 007 e um Santo
    1:26

    Cultura

    Morreu Roger Moore. O ator britânico tinha 89 anos e morreu na Suíça, vítima de cancro. Ficou conhecido pelo mítico papel de James Bond entre os anos 70 e 80, tendo sido o ator que mais tempo se manteve no papel. Em 2003, foi condecorado pela rainha Isabel II e tornou-se Sir Roger Moore.

  • Ucrânia limita utilização do russo na televisão

    Mundo

    O Parlamento da Ucrânia aprovou esta terça-feira uma lei que determina que três quartos dos programas televisivos dos canais nacionais devem ser transmitidos em ucraniano, medida que visa limitar o uso da língua russa naquele país.