sicnot

Perfil

País

"Corro o risco de ser loucamente apegado à ideia do afeto"

O Presidente da República considerou hoje que se arrisca a "ser loucamente apegado à ideia do afeto", depois de ouvir Balsemão falar na "loucura" dos tempos da formação do Expresso e apontá-lo como "um inovador".

PAULO NOVAIS

Marcelo Rebelo de Sousa e o presidente do grupo Impresa, Francisco Pinto Balsemão, estiveram hoje juntos no Palácio da Ajuda, em Lisboa, durante cerca de duas horas, numa iniciativa da SIC Notícias, do Expresso e da Nos, designada "Círculo de Inovação".

A propósito da inovação, Francisco Pinto Balsemão recordou "o arranque em 1973 do projeto do jornal Expresso, em cujo desenvolvimento o então jovem licenciado Marcelo Rebelo de Sousa tanto participou, e no qual desempenhou um papel relevante naqueles tempos já distantes".

Segundo o antigo primeiro-ministro, aqueles foram tempos "de muita necessidade de inovação, de muita criatividade na construção de um produto, que necessitava de algum grau de loucura".

"Loucura, que é uma palavra que ainda não ouvi aqui hoje, mas que me parece apropriada quando se fala de inovação. E no nosso caso concreto, de luta inovadora também contra a censura", prosseguiu.

Terminado o seu discurso, Francisco Pinto Balsemão deu a palavra a "um inovador chamado professor doutor Marcelo Rebelo de Sousa", e o Presidente da República não deixou de o elogiar e de lhe responder, no final da sua intervenção, também a propósito da inovação no mundo empresarial.

"Dizia o doutor Francisco Pinto Balsemão, é preciso algum Governo grau de loucura. Eu sou conhecido pela minha heterodoxia. Portanto, ouvir isto é música celestial para os meus ouvidos. Ele sabe que é música celestial para os meus ouvidos, porque me conheceu com 20 e poucos anos", declarou o chefe de Estado.

Dirigindo-se aos jovens empresários, Marcelo Rebelo de Sousa disse-lhes: "Eu admito que nestas jovens gerações seja mais difícil encontrar, com o vosso sucesso, tanta gente louca. Provavelmente são menos loucos do que seria desejável. Mas não percam o afeto, a inteligência emocional. É muito importante".

"Eu corro o risco de também ser loucamente apegado à ideia do afeto. Mas é fundamental. O vosso objetivo são os consumidores, o vosso objetivo são pessoas de carne e osso. O vosso objetivo são, não números, mas pessoas, cada uma delas diferente da outra. É óbvio que é possível tratá-las por agregados, nós sabemos isso, economicamente. Mas há um lado de inteligência emocional que é fundamental", acrescentou.

O Presidente da República insistiu que a inteligência emocional "é fundamental na política, é fundamental na sociedade, é fundamental na economia" e é "o que se espera de grandes talentos na vida empresarial portuguesa".

Em relação ao Expresso, Marcelo Rebelo de Sousa sustentou que aquele semanário "antecipou a mudança" que iria acontecer em Portugal e elogiou "a visão de Francisco Pinto Balsemão", dizendo que "hoje passou largamente o testemunho, mas continua com a sua juventude presente no projeto".

Lusa

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • Abate de animais nos canis proibido a partir de setembro
    1:35

    País

    O abate de animais nos canis passa a ser proibido a partir de setembro. Só em 2017, foram mortos cerca de 12 mil cães e gatos, uma média de um abate por hora. O Governo lançou um programa de incentivos financeiros de um milhão de euros, que ainda está a decorrer.

  • Cabazes solidários oferecidos pelo Governo encontrados no lixo
    0:57
  • Colheita da cereja já arrancou no Fundão
    1:54

    País

    A colheita das primeiras cerejas da época já começou no Fundão. A campanha atrasou um mês em relação a anos anteriores, por causa do inverno que se prolongou, mas os produtores garantem que o fruto é de qualidade.