sicnot

Perfil

País

Jerónimo diz não ter ainda compreendido objeto do referendo sugerido pelo BE

O secretário-geral do PCP afirmou esta quinta-feira que a saída da Grã-Bretanha da União Europeia constitui uma oportunidade para repensar as políticas europeias e disse ainda não ter compreendido qual seria o objeto do referendo sugerido pelo BE.

ESTELA SILVA

"Nós consideramos que (o Brexit) é uma oportunidade, um momento para repensar toda esta política da União Europeia. Era importante que as normas, as regras, as imposições fossem afastadas, num processo onde o governo português tem de ter a responsabilidade de uma negociação, do ponto de vista da defesa dos interesses nacionais", disse à Lusa Jerónimo de Sousa.

Questionado sobre a posição do Bloco de Esquerda, que defendeu a realização de um referendo sobre a União Europeia, o dirigente comunista disse que ainda não percebeu bem qual é o objetivo dos bloquistas.

"Ainda não consegui perceber o que o Bloco pretende com o referendo, qual a pergunta, qual o objeto, qual o objetivo. Falou-se primeiro em sanções, depois no Tratado Orçamental. Em relação às sanções, consideramos que são inaceitáveis, devem ser recusadas", disse.

"O referendo é uma questão que não pode ser banalizada. É preciso perceber o referendo, para quê, sobre quê", concluiu o líder comunista.

O líder comunista, que falava à Lusa à margem de um almoço com empresários da restauração, para comemorar a redução do IVA da restauração para 13 por cento, considerou que, com a saída da Grã-Bretanha, da União Europeia, "está aberta uma nova realidade".

"Neste quadro, nós consideramos que é importante, designadamente, esta questão da submissão ao euro, ser resolvida, tendo em conta até os anúncios das perspetivas económicas, das questões do crescimento e do desenvolvimento, dos condicionamentos que levam a que Portugal corra o risco de ter um crescimento anémico e rastejante. É uma oportunidade para repensar a Europa - não esta Europa do grande capital dos grandes grupos económicos -, mas uma Europa dos trabalhadores e dos povos", acrescentou.

"A União Europeia vai fazer 70 anos desde a sua fundação, que tinha como base dois critérios: integração e alargamento. A novidade é que, com este processo, houve uma redução", salientou o líder comunista, ressalvando a necessidade de se respeitar a vontade expressa, em referendo, pelo povo britânico.

Jerónimo de Sousa defendeu ainda que a decisão dos britânicos deve, também, constituir uma oportunidade para potenciar a "cooperação e relacionamento fraternal com a Inglaterra" e para salvaguardar os interesses dos emigrantes portugueses na Grã-Bretanha.

"Devemos respeitar a decisão soberana do povo inglês. Do nosso ponto de vista constitui uma vitória sobre a pressão, a chantagem, o catastrofismo, todo um cenário por parte de instituições internacionais, incluindo a própria da União Europeia. O povo inglês decidiu, tem de ser respeitado", sublinhou.

Lusa

  • Proposta de referendo do BE não tem apoio do PS e PCP
    2:47

    País

    O Bloco de Esquerda está à espera de notícias de Bruxelas para saber se avança com a proposta de referendo. A ideia foi avançada de surpresa no fim de semana, mas não teve o apoio do PS nem do PCP. O partido comunista diz que a proposta de Catarina Martins é inconstitucional. Já Carlos César considera a posposta "irracional". Sobre o assunto, Marcelo Rebelo de Sousa disse que Portugal vai continuar na União Europeia.

  • BE abre porta a referendo caso Portugal sofra sanções
    0:39

    País

    O Bloco de Esquerda diz que pode vir a avançar com uma proposta de referendo sobre a permanência de Portugal na União Europeia se houver sanções de Bruxelas. A hipótese foi deixada por Catarina Martins no discurso de encerramento da convenção do partido.

  • O dia em que o Brexit começa
    1:25

    Brexit

    A primeira-ministra britânica já assinou a carta que vai enviar ao Conselho Europeu para formalizar a vontade do Reino Unido de sair da União Europeia. O artigo 50.º do Tratado de Lisboa será ativado nas próximas horas. Na véspera, Theresa May recebeu da Escócia um novo contratempo político.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Governo vai dar mais meios à investigação criminal
    2:34

    País

    A ministra da Justiça garante que o Governo vai dar mais meios à investigação criminal, mas assegura que não vai mexer nos prazos dos inquéritos. A questão tem sido insistentemente levantada pela defesa de José Sócrates, que se queixa de que a Operação Marquês já ultrapassou todos os prazos.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.