sicnot

Perfil

País

Presidente condecora Salgueiro Maia em gesto de "reparação histórica"

O Presidente da República atribuiu hoje, a título póstumo, a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique a Salgueiro Maia, num gesto de "reconhecimento da pátria portuguesa", dizendo que nunca é tarde para a "reparação histórica".

A viúva do capitão de Abril, Natércia Salgueiro Maia, recebeu das mãos de Marcelo Rebelo de Sousa a condecoração.

A viúva do capitão de Abril, Natércia Salgueiro Maia, recebeu das mãos de Marcelo Rebelo de Sousa a condecoração.

João Relvas / Lusa

REUTERS

A viúva do capitão de Abril, Natércia Salgueiro Maia, que recebeu das mãos de Marcelo Rebelo de Sousa esta condecoração, disse estar "reconfortada pela decisão do senhor Presidente" e agradeceu-lhe, emocionada.

O filho de Salgueiro Maia, Filipe, e a neta, Daniela, também estiveram presentes nesta cerimónia, que decorreu na Sala dos Embaixadores do Palácio de Belém, em Lisboa.

Numa curta intervenção, de cerca de cinco minutos, o chefe de Estado apontou Salgueiro Maia como "um exemplo" e defendeu que "Portugal não é avaro em gratidão", embora isso possa acontecer tardiamente.

"Pode demorar tempo. Pode haver quem, por distração, pode considerar que é mais importante o que não é, não preste a homenagem devida no tempo devido. Mas há sempre a hipótese de reparar. Essa reparação histórica, esse reconhecimento histórico está feito", declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

Natércia Salgueiro Maia considerou "muitíssimo justas" as palavras do Presidente da República e recordou que passou com o marido "momentos de alguma mágoa e tristeza pela forma como era tratado".

"Algumas vezes ouvi-o desabafar: tratam-me como se eu fosse um traidor à pátria, então, que me julguem. Infelizmente, o meu marido já não está entre nós. Por ele, sinto-me reconfortada pela decisão do senhor Presidente em lhe atribuir esta condecoração. Muito obrigada", acrescentou.

Nesta cerimónia, o tenente-coronel Fernando José Salgueiro Maia foi condecorado, a título póstumo, com o grau de Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, por alvará datado de 25 de Abril deste ano - data em que o Presidente da República anunciou esta condecoração, em Santarém.

Marcelo Rebelo de Sousa referiu que pretendia fazer esta homenagem na data do aniversário de Salgueiro Maia, 01 de julho, mas teve de antecipá-la para hoje devido à sua visita oficial à Região Autónoma da Madeira.

O chefe de Estado disse que Salgueiro Maia "era um símbolo daquilo que é o português, cá dentro e lá fora, na sua humildade, na sua simplicidade, na sua abnegação, na sua dedicação à pátria".

"A excelência de Salgueiro Maia justifica esta homenagem singular. Por isso, vou ter a honra de entregar à sua família, pensando naqueles que são mais futuro do que nós somos, aquilo que é um reconhecimento da pátria portuguesa", concluiu.

Natércia Salgueiro Maia quis estender esta homenagem a todos "os implicados no 25 de Abril", utilizando uma expressão do seu marido.

"É um ato de justiça e de gratidão para com aqueles que, num gesto de grande coragem, deram o seu contributo para que hoje possamos viver em democracia. Salgueiro Maia amava o seu país, um Portugal que queria livre, mais justo e em que todos pudessem ter uma vida digna. Foi com este sonho que ele participou no 25 de Abril de 74", afirmou.

Depois da entrega das insígnias, Natércia Salgueiro Maia e Marcelo Rebelo de Sousa abraçaram-se. O Presidente cumprimentou também de forma calorosa o filho e a neta do capitão de Abril.

Em seguida, a família de Salgueiro Maia recebeu os cumprimentos do ministro da Defesa Nacional, do Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, do presidente da Câmara Municipal de Santarém e de representantes das associações 25 de Abril, dos Deficientes das Forças Armadas, da Liga dos Combatentes e dos três ramos militares, que assistiram a esta cerimónia.

Lusa

  • Marcelo Rebelo de Sousa presta homenagem a Salgueiro Maia
    1:44

    País

    O Presidente da República garantiu em Santarém que, em Julho, vai condecorar Salgueiro Maia, a título póstumo, com a Ordem do Infante D. Henrique, altura em que o capitão de Abril faria 72 anos. Marcelo Rebelo de Sousa recordou o homem que, há 42 anos, partiu rumo a Lisboa, com uma coluna militar, rumo ao Terreiro do Paço.

  • Cabo e furriel estiveram frente a frente em lados opostos no Terreiro do Paço
    3:17

    País

    Há um homem que teve nas mãos a possibilidade de liquidar a revolução, mas recusou. O cabo Alves Costa desobedeceu à ordem de disparar um carro de combate contra a coluna dos revoltosos, no Terreiro do Paço.Salgueiro Maia diria mais tarde que foi nesse instante que se ganhou o 25 de Abril. Na coluna que podia ter sido dizimada pelo cabo Alves Costa, estava o então furriel Manuel Correia da Silva. Esses dois homens que estiveram frente a frente em lados opostos são hoje amigos e falaram connosco para recordar esse momento decisivo.

  • O homem que recusou disparar sobre Salgueiro Maia
    1:56

    40 Anos / 25 Abril

    Ainda há histórias e rostos por revelar sobre o 25 de abril, 40 anos depois. Dois jornalistas descobriram o homem que recusou disparar sobre Salgueiro Maia, o que teria acabado com o 25 de abril. Trata-se do cabo apontador José Alves Costa que sempre recusou o papel de herói e diz agora que apenas cumpriu a missão como português.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.