sicnot

Perfil

País

Serviços de finanças passam a ter horário contínuo mas fecham uma hora mais cedo

O atendimento ao público dos serviços das finanças vai passar a ser feito sem interrupções à hora de almoço, mas vai encerrar uma hora mais cedo, no seguimento da reposição das 35 horas de trabalho a partir de sexta-feira.

"Em todos os serviços de finanças, as portas passam a estar abertas ao público, sem interrupções, entre as 09:00 e as 15:30", informa o Ministério das Finanças em comunicado, na véspera da reposição das 35 horas de trabalho na função pública.

Até aqui, e de acordo a página oficial da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), o horário de atendimento ao público dos serviços das finanças decorria entre as 09:00 e as 16:30, embora a grande maioria das repartições fechasse portas entre as 12:30 e as 14:00 para almoço.

Ora, com a reposição das 35 horas de trabalho semanais na função pública, a AT reformula o horário de atendimento ao público já a partir de sexta-feira, uma alteração que a diretora-geral das Finanças, Helena Borges, justifica também com a necessidade de "manter os níveis de serviço prestado ao cidadão".

Se até aqui o horário atendimento contínuo (sem interrupção ao almoço) era aplicado apenas em 22 serviços de finanças, a partir de sexta-feira todos os 342 serviços passam a ter as portas abertas entre as 09:00 e as 15:30, sem interrupções.

Também nas 54 alfândegas, delegações e postos aduaneiros espalhados por todo o país, o horário de atendimento ao público passa a ser das 09:00 às 17:00, de forma contínua, "não havendo lugar a interrupção no atendimento durante o período de almoço".

Nas Lojas do Cidadão, os serviços de finanças continuarão a funcionar no horário habitual, acrescenta o ministério tutelado por Mário Centeno.

"Os novos horários são uma evidente mais-valia no serviço prestado ao cidadão, promovendo uma maior disponibilidade dos serviços e facilitando assim o cumprimento dos deveres fiscais e aduaneiros por parte de cidadãos e empresas", defende o Ministério das Finanças.

Lusa

  • Direções-gerais da Função Pública vão fazer lista com funcionários que podem vir a ser despedidos

    Economia

    O Governo quer ter uma lista dos funcionários públicos que serão incluidos no programa de requalificação, ou seja que poderão vir a ser despedidos. Segundo o Diário de Notícias, a ordem, informal, terá sido dada pelas Finanças a todas as direções-gerais em agosto. Cada serviço do Estado deve assim elaborar uma lista com 12% de trabalhadores, que, em último caso, são os que podem vir a ser despedidos. O critério para incluir um trabalhador na lista fica a cargo de cada direção-geral, mas poderá ter como base a avaliação de desempenho. Os serviços têm até ao fim deste mês para concluirem a lista. No total, cerca de 12 mil funcionários públicos deverão integrar o programa de requalificação.

  • Governo enfrenta vaga de contestação
    2:35

    Economia

    O Governo enfrenta uma onda de contestação. Guardas prisionais, procuradores, professores, médicos e enfermeiros descontentes ameaçam com greves nos diferentes setores, já nos meses de março e abril.

  • Proposta criação de 77 mil empregos através de uma descida da TSU
    1:23
  • Bastonário dos médicos diz que a classe deixou de acreditar no ministro da Saúde
    2:24

    País

    Desde Março do ano passado que perto de mil médicos especialistas aguardam colocação nos hospitais. O concurso, prometido várias vezes pelo ministro da Saúde, não abriu ainda por falta de autorização do Ministério das Finanças. Amanhã, quinta-feira, um grupo destes médicos vai à Assembleia da República entregar uma carta que entretanto já seguiu para os ministros da Saúde e Finanças.

  • 296 mortos em 2 dias de bombardeamentos em Ghouta Oriental
    2:16
  • Tiroteio na Florida foi o 18.º registado em meio escolar nos EUA desde janeiro
    1:25