sicnot

Perfil

País

Serviços de finanças passam a ter horário contínuo mas fecham uma hora mais cedo

O atendimento ao público dos serviços das finanças vai passar a ser feito sem interrupções à hora de almoço, mas vai encerrar uma hora mais cedo, no seguimento da reposição das 35 horas de trabalho a partir de sexta-feira.

"Em todos os serviços de finanças, as portas passam a estar abertas ao público, sem interrupções, entre as 09:00 e as 15:30", informa o Ministério das Finanças em comunicado, na véspera da reposição das 35 horas de trabalho na função pública.

Até aqui, e de acordo a página oficial da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), o horário de atendimento ao público dos serviços das finanças decorria entre as 09:00 e as 16:30, embora a grande maioria das repartições fechasse portas entre as 12:30 e as 14:00 para almoço.

Ora, com a reposição das 35 horas de trabalho semanais na função pública, a AT reformula o horário de atendimento ao público já a partir de sexta-feira, uma alteração que a diretora-geral das Finanças, Helena Borges, justifica também com a necessidade de "manter os níveis de serviço prestado ao cidadão".

Se até aqui o horário atendimento contínuo (sem interrupção ao almoço) era aplicado apenas em 22 serviços de finanças, a partir de sexta-feira todos os 342 serviços passam a ter as portas abertas entre as 09:00 e as 15:30, sem interrupções.

Também nas 54 alfândegas, delegações e postos aduaneiros espalhados por todo o país, o horário de atendimento ao público passa a ser das 09:00 às 17:00, de forma contínua, "não havendo lugar a interrupção no atendimento durante o período de almoço".

Nas Lojas do Cidadão, os serviços de finanças continuarão a funcionar no horário habitual, acrescenta o ministério tutelado por Mário Centeno.

"Os novos horários são uma evidente mais-valia no serviço prestado ao cidadão, promovendo uma maior disponibilidade dos serviços e facilitando assim o cumprimento dos deveres fiscais e aduaneiros por parte de cidadãos e empresas", defende o Ministério das Finanças.

Lusa

  • Direções-gerais da Função Pública vão fazer lista com funcionários que podem vir a ser despedidos

    Economia

    O Governo quer ter uma lista dos funcionários públicos que serão incluidos no programa de requalificação, ou seja que poderão vir a ser despedidos. Segundo o Diário de Notícias, a ordem, informal, terá sido dada pelas Finanças a todas as direções-gerais em agosto. Cada serviço do Estado deve assim elaborar uma lista com 12% de trabalhadores, que, em último caso, são os que podem vir a ser despedidos. O critério para incluir um trabalhador na lista fica a cargo de cada direção-geral, mas poderá ter como base a avaliação de desempenho. Os serviços têm até ao fim deste mês para concluirem a lista. No total, cerca de 12 mil funcionários públicos deverão integrar o programa de requalificação.

  • As vantagens de comprar online
    8:03
  • Suspeito de homicídio à porta do Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em preventiva
    1:36

    País

    O suspeito de ser o autor dos disparos que mataram um jovem junto à discoteca Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em prisão preventiva. Segundo a investigação, tudo terá começado com um mero desacato, ainda dentro da discoteca, onde a vítima e o detido foram filmados a discutir. O homem de 23 anos está indiciado por dois crimes de homicídio, um na forma tentada.

  • Filho de Trump critica mayor de Londres por palavras de 2016

    Ataque em Londres

    Donald Trump Júnior criticou o presidente da Câmara de Londres logo a seguir ao ataque de quarta-feira que fez três mortos e mais de 40 feridos. O filho de Presidente publicou no Twitter uma reação a uma declaração de Sadiq Khan de setembro de 2016. Para o Presidente dos EUA, o ataque em Londres é "uma grande notícia".

  • Marcelo reuniu-se com líderes europeus para falar do futuro da UE
    2:31

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa esteve esta quarta-feira em Bruxelas e participou numa homenagem às vítimas do atentado em Bruxelas, onde colocou uma coroa de flores junto ao monumento.O Presidente da República esteve também reunido com os líderes das principais instituições europeias para falar sobre o futuro da UE.