sicnot

Perfil

País

Serviços de finanças passam a ter horário contínuo mas fecham uma hora mais cedo

O atendimento ao público dos serviços das finanças vai passar a ser feito sem interrupções à hora de almoço, mas vai encerrar uma hora mais cedo, no seguimento da reposição das 35 horas de trabalho a partir de sexta-feira.

"Em todos os serviços de finanças, as portas passam a estar abertas ao público, sem interrupções, entre as 09:00 e as 15:30", informa o Ministério das Finanças em comunicado, na véspera da reposição das 35 horas de trabalho na função pública.

Até aqui, e de acordo a página oficial da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), o horário de atendimento ao público dos serviços das finanças decorria entre as 09:00 e as 16:30, embora a grande maioria das repartições fechasse portas entre as 12:30 e as 14:00 para almoço.

Ora, com a reposição das 35 horas de trabalho semanais na função pública, a AT reformula o horário de atendimento ao público já a partir de sexta-feira, uma alteração que a diretora-geral das Finanças, Helena Borges, justifica também com a necessidade de "manter os níveis de serviço prestado ao cidadão".

Se até aqui o horário atendimento contínuo (sem interrupção ao almoço) era aplicado apenas em 22 serviços de finanças, a partir de sexta-feira todos os 342 serviços passam a ter as portas abertas entre as 09:00 e as 15:30, sem interrupções.

Também nas 54 alfândegas, delegações e postos aduaneiros espalhados por todo o país, o horário de atendimento ao público passa a ser das 09:00 às 17:00, de forma contínua, "não havendo lugar a interrupção no atendimento durante o período de almoço".

Nas Lojas do Cidadão, os serviços de finanças continuarão a funcionar no horário habitual, acrescenta o ministério tutelado por Mário Centeno.

"Os novos horários são uma evidente mais-valia no serviço prestado ao cidadão, promovendo uma maior disponibilidade dos serviços e facilitando assim o cumprimento dos deveres fiscais e aduaneiros por parte de cidadãos e empresas", defende o Ministério das Finanças.

Lusa

  • Direções-gerais da Função Pública vão fazer lista com funcionários que podem vir a ser despedidos

    Economia

    O Governo quer ter uma lista dos funcionários públicos que serão incluidos no programa de requalificação, ou seja que poderão vir a ser despedidos. Segundo o Diário de Notícias, a ordem, informal, terá sido dada pelas Finanças a todas as direções-gerais em agosto. Cada serviço do Estado deve assim elaborar uma lista com 12% de trabalhadores, que, em último caso, são os que podem vir a ser despedidos. O critério para incluir um trabalhador na lista fica a cargo de cada direção-geral, mas poderá ter como base a avaliação de desempenho. Os serviços têm até ao fim deste mês para concluirem a lista. No total, cerca de 12 mil funcionários públicos deverão integrar o programa de requalificação.

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59