sicnot

Perfil

País

Taxistas contra decisão de legalizar Uber prometem medidas de luta

As associações do setor do táxi contestaram hoje a decisão do Governo de legalizar a atividade das novas plataformas de mobilidade como a Uber e prometeram medidas de contestação.

LUSA

"O que o Governo quer não é resolver os problemas do setor. Anda à procura de conseguir tirar alguns argumentos que põem em causa a ilegalidade da Uber e não só, como a concorrência desleal, a fuga ao fisco, etc.", disse à Lusa o presidente da Federação Portuguesa do Táxi.

Carlos Ramos falava à Lusa depois de o secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes, ter anunciado que o Governo vai legalizar a atividade das novas plataformas de mobilidade, como a Uber, bem como o serviço de transporte de passageiros em veículos descaracterizados.

Esta decisão vem na sequência das recomendações feitas ao Governo pelo grupo de trabalho criado para analisar o transporte público de passageiros em veículos ligeiros, no qual estavam representadas as associações representativas do setor do táxi, que discordaram da maioria das recomendações.

Para Carlos Ramos, o executivo socialista quer "acantonar táxis e as suas plataformas de forma a criar condições para liberalizar o setor dos transportes às viaturas descaracterizadas".

E exemplificou afirmando que o Governo não aceita que as aplicações desenvolvidas pelo setor do táxi trabalhem para viaturas descaracterizadas, porque estas "são só para as plataformas de solução de mobilidade".

"Se a Câmara de Lisboa já reconheceu que há mil táxis a mais na cidade, recomendámos que mil táxis se descaracterizassem e aderissem à plataforma. Isto o Governo também não quis aceitar", lamentou.

Para Carlos Ramos, esta era uma forma de se resolver aquele que considera ser o problema "mais grave" criado pela decisão do Governo: a contingência de viaturas (número limite de veículos que podem operar).

"Querem fazê-lo [o processo de legalização] não criando contingência de viaturas. É livre. Qualquer viatura descaracterizada que queira aderir à plataforma pode fazê-lo. Isto é o fim dos transportes públicos de passageiros. Isto é desregulamentar o setor", frisou.

Em declarações à Lusa, o presidente da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), Florêncio Almeida, disse que "ainda há muito caminho a percorrer e as associações não vão permitir isso [a legalização] de ânimo leve".

"Podem contar com uma grande contestação de rua, que vai ser imparável com certeza. As associações não vão permitir que o setor seja desregulamentado para regulamentarem aquilo que é ilegal", afirmou.

Para já, as duas associações vão reunir-se na próxima semana e apelar aos partidos políticos com assento parlamentar e às câmaras de Lisboa e do Porto para que intervenham, "porque têm uma palavra a dizer sobre o contingente dos transportes nos seus concelhos", adiantou o presidente da FPT.

Lusa

  • Taxistas criam grupo de trabalho para lidar com concorrência da Uber
    0:33

    País

    Uma semana depois da manifestação contra a Uber que paralisou Lisboa e Porto, taxistas e Governo reuniram esta manhã. À saída do encontro com o ministro do Ambiente, a Antral e a Federação Portuguesa do Táxi esclarecem apenas que foi criado um grupo de trabalho para discutir soluções para um enquadramento de outras plataformas.

  • Concorrente da Uber começa a operar em Lisboa
    2:02

    Economia

    Uma nova plataforma de transporte privado, concorrente da Uber, começou hoje a operar em Lisboa. A Cabify oferece serviços a empresas, a possibilidade de reserva e o preço calculado apenas ao quilómetro. Contudo, o Governo diz que esta nova operadora também não tem enquadramento legar para operar em Portugal e a ANTRAL já avisou que pode vir a interpor uma providência cautelar contra a empresa espanhola.

  • IPSS no Seixal alvo de processo e auditoria financeira
    1:47

    País

    A Segurança Social está fazer mais uma inspeção total a uma IPSS, agora na Associação Unitária de Reformados, Pensionistas e Idosos do Seixal. A fiscalização já recolheu documentação e está agora a passar a pente fino as contas, os serviços e todos os procedimentos da Instituição.

    Investigação SIC - Hoje no Jornal da Noite

    SIC

  • "Vai custar muito a voltarmos à realidade"
    2:22
  • Quando o frio até as pestanas congela

    Mundo

    Os termómetros desceram até aos - 67º Celsius em Yakutia, 5.300 quilómetros a Este de Moscovo, na Rússia. Nesta região, os estudantes estão habituados a manter as rotinas, mesmo quando as valores chegam aos - 40º Celsius, mas esta terça-feira as autoridades encerraram escolas e aconselharam a população a ficar em casa, longe do frio que até as pestanas congela.

    SIC

  • Quase 600 pedidos de nulidade de casamentos católicos em três anos
    1:38

    País

    Entre 2015 e 2017, 575 casais portugueses pediram a anulação do casamento católico. O ano passado o número de pedidos duplicou em relação a 2015. Desde esse ano, e por decisão do Papa Francisco, que os pedidos de nulidade do casamento pela Igreja são mais simples, mais baratos e mais rápidos.

  • "É preciso namorar bem para que o namoro dê certo"
    2:31

    País

    Rui Rio diz que a decisão sobre o futuro da liderança da bancada parlamentar do PSD só será tomada depois de falar com Pedro Passos Coelho e com Hugo Soares. Em entrevista à RTP, a primeira depois de vencer as diretas, o Rui Rio lembrou esta terça-feira que Passos Coelho ainda é líder do partido.

  • Deputado dorme no Parlamento britânico
    0:58