sicnot

Perfil

País

Arqueólogo Luís Raposo eleito presidente do Conselho Internacional de Museus

O arqueólogo e museólogo português Luís Raposo foi eleito hoje presidente, por três anos, do Conselho Internacional de Museus - ICOM Europa, a maior organização internacional do setor.

YouTube

Em declarações à Lusa, Luís Raposo afirmou que recebeu 15 votos, contra cinco do seu rival, Bernard Blache, do ICOM-França, que desempenhava funções na direção daquela entidade, e é coordenador da rede francesa de museus e do centro de desenvolvimento da cultura científica, técnica e cultural.

A eleição ocorreu no âmbito das atividades paralelas da Conferência Trienal Mundial do ICOM, que se realiza em Milão, no norte de Itália.

Esta foi a primeira candidatura de um português à presidência do ICOM Europa - entidade com estatuto consultivo no âmbito das Nações Unidas.

O arqueólogo disse à Lusa que se sente "honrado e responsabilidade" com a eleição.

Luís Raposo, 60 anos, arqueólogo, ex-diretor do Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, trabalha no setor há 40 anos e é atualmente vice-presidente da Associação dos Arqueólogos Portugueses.

Raposo é professor convidado da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, membro do Conselho Consultivo da Comissão Nacional Portuguesa da UNESCO, e colaborou na instalação de museus de arqueologia locais e regionais.

Quanto a projetos futuros, afirmou à Lusa que projeta a realização de duas conferências anuais do ICOM Europa, em diferentes países, sobre temas de atualidade como o conceito de museu nacional, as fusões de museus, os novos modelos e gestão dos museus, entre outros.

Luís Raposo foi responsável por projetos de intervenção arqueológica de campo nos vales dos rios Tejo e Guadiana, na Costa Sudoeste e nos arredores de Lisboa.

Publicou perto de duas centenas de artigos de investigação, sobretudo sobre a Pré-História Antiga portuguesa, em revistas da especialidade nacionais e estrangeiras, e fez parte de conselhos de caráter editorial de publicações como "Al-madan" e "Trabajos de Prehistoria", do Conselho Superior de Investigações Científicas de Espanha, ou da portuguesa "Museologia.pt", da Direção-Geral do Património Cultural.

O ICOM - sigla da designação, em inglês, da organização Internacional Council of Museums - é a maior organização internacional de museus e de profissionais de museus, dedicada à preservação e divulgação do património natural e cultural mundial, "do presente e do futuro, tangível e intangível", como se lê na sua página na Internet.

Criado em 1946, o ICOM é uma organização não-governamental, que mantém relações formais com a organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), e tem estatuto consultivo no Conselho Económico e Social das Nações Unidas.

Atualmente, o ICOM é composto por 119 comissões nacionais, 30 comissões de especialidade e cinco regionais, na qual se insere o ICOM Europa.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Défice recua em 2016 na zona euro e na UE

    Economia

    O défice e a dívida baixaram na zona euro e na União Europeia (UE) em 2016 face a 2015, tendo Portugal registado a terceira maior dívida (130,4%) entre os Estados-membros e um défice de 2%, segundo o Eurostat.