sicnot

Perfil

País

GNR reforçou efetivo com 457 novos guardas provisórios colocados no Litoral

A GNR reforçou hoje o efetivo com 457 guardas provisórios, tendo sido dada prioridade à colocação dos novos militares, nos comandos territoriais do litoral, sobretudo na zona do Algarve.

(SIC/ Arquivo)

Segundo a GNR, estes novos elementos, que desde novembro de 2015 estiveram em formação no Centro de Formação de Portalegre, iniciam a fase prática do plano curricular ao integrarem o reforço do dispositivo no âmbito da operação "verão seguro".

Em comunicado, a Guarda Nacional Republicana refere que a distribuição dos guardas provisórios pelo país teve por base o esforço de segurança exigido à corporação durante estes meses de verão.

A GNR adianta que foi "dado prioridade" aos comandos territoriais com responsabilidade junto ao litoral, sobretudo para a zona do Algarve.

De acordo com aquela força de segurança, Faro foi reforçado com 90 guardas provisórios, Setúbal com 50, Lisboa com 40, Aveiro e Leiria com 35 cada um.

A GNR refere ainda que o reforço do efetivo coincide com o aumento de meios da operação "verão seguro", que tem como objetivo o aumento das ações de patrulhamento e apoio na área de responsabilidade da GNR, nomeadamente nas zonas de praia, festas, romarias e eventos de grande dimensão, bem como nos principais eixos rodoviários.

Lusa

  • Governo lança linha de crédito de 100 M€ para empresas situadas no interior

    País

    As políticas de valorização do interior, tema escolhido pelo primeiro-ministro, António Costa, abriram o debate quinzenal na Assembleia da República. O primeiro-ministro anunciou que o Governo vai lançar uma linha de crédito de 100 milhões de euros destinada exclusivamente a pequenas e microempresas empresas situadas no interior, a par da reprogramação do Portugal 20/20.

    Direto

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.