sicnot

Perfil

País

Oito distritos sob aviso amarelo devido às temperaturas máximas elevadas

Oito distritos de Portugal continental estão hoje sob aviso amarelo, o terceiro mais grave de uma escala de quatro, devido à persistência de valores elevados da temperatura máxima, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

© Kieran Doherty / Reuters

De acordo com o instituto, os distritos de Bragança, Guarda, Castelo Branco, Santarém, Portalegre, Setúbal, Évora e Beja estão sob aviso amarelo entre as 00:09 e as 23:59 de hoje, devido à persistência de valores elevados da temperatura máxima.

O aviso amarelo é o terceiro mais grave numa escala de quatro e significa "risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica".

O IPMA prevê para hoje, no continente, céu pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de maior nebulosidade até ao meio da manhã, com ocorrência de aguaceiros e trovoada na região centro, aumento temporário de nebulosidade durante a tarde, em especial nas regiões do interior, com ocorrência de aguaceiros e trovoada.

Está também previsto vento fraco, soprando moderado de sueste no litoral sul até ao final da manhã e de noroeste no litoral oeste durante a tarde, pequena subida da temperatura mínima nas regiões norte e centro e descida da máxima, em especial nas regiões do litoral e no interior sul.

Na Madeira prevê-se períodos de céu muito nublado, aguaceiros fracos nas vertentes norte e terras altas até ao fim da manhã, vento fraco a moderado de norte, soprando por vezes forte nas terras altas até final da manhã e pequena subida da temperatura máxima.

Para os Açores, a previsão aponta para períodos de céu muito nublado, tornando-se encoberto, períodos de chuva a partir da tarde e vento fraco tornando-se bonançoso.

Quanto às temperaturas, em Lisboa vão oscilar entre 20 e 33 graus Celsius, no Porto entre 17 e 25, em Vila Real entre 20 e 34, em Viseu entre 20 e 32, em Bragança entre 17 e 34, na Guarda entre 19 e 30, em Coimbra entre 16 e 31, em Castelo Branco entre 21 e 36, em Portalegre entre 21 e 35, em Santarém entre 18 e 35, em Évora entre 18 e 37, em Beja entre 20 e 34, em Faro entre 22 e 26, em Setúbal entre 18 e 32, no Funchal entre 19 e 24, em Ponta Delgada entre 17 e 22, na Horta entre 19 e 23 e em Santa Cruz das Flores entre 19 e 24.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.