sicnot

Perfil

País

Oito distritos sob aviso amarelo devido às temperaturas máximas elevadas

Oito distritos de Portugal continental estão hoje sob aviso amarelo, o terceiro mais grave de uma escala de quatro, devido à persistência de valores elevados da temperatura máxima, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

© Kieran Doherty / Reuters

De acordo com o instituto, os distritos de Bragança, Guarda, Castelo Branco, Santarém, Portalegre, Setúbal, Évora e Beja estão sob aviso amarelo entre as 00:09 e as 23:59 de hoje, devido à persistência de valores elevados da temperatura máxima.

O aviso amarelo é o terceiro mais grave numa escala de quatro e significa "risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica".

O IPMA prevê para hoje, no continente, céu pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de maior nebulosidade até ao meio da manhã, com ocorrência de aguaceiros e trovoada na região centro, aumento temporário de nebulosidade durante a tarde, em especial nas regiões do interior, com ocorrência de aguaceiros e trovoada.

Está também previsto vento fraco, soprando moderado de sueste no litoral sul até ao final da manhã e de noroeste no litoral oeste durante a tarde, pequena subida da temperatura mínima nas regiões norte e centro e descida da máxima, em especial nas regiões do litoral e no interior sul.

Na Madeira prevê-se períodos de céu muito nublado, aguaceiros fracos nas vertentes norte e terras altas até ao fim da manhã, vento fraco a moderado de norte, soprando por vezes forte nas terras altas até final da manhã e pequena subida da temperatura máxima.

Para os Açores, a previsão aponta para períodos de céu muito nublado, tornando-se encoberto, períodos de chuva a partir da tarde e vento fraco tornando-se bonançoso.

Quanto às temperaturas, em Lisboa vão oscilar entre 20 e 33 graus Celsius, no Porto entre 17 e 25, em Vila Real entre 20 e 34, em Viseu entre 20 e 32, em Bragança entre 17 e 34, na Guarda entre 19 e 30, em Coimbra entre 16 e 31, em Castelo Branco entre 21 e 36, em Portalegre entre 21 e 35, em Santarém entre 18 e 35, em Évora entre 18 e 37, em Beja entre 20 e 34, em Faro entre 22 e 26, em Setúbal entre 18 e 32, no Funchal entre 19 e 24, em Ponta Delgada entre 17 e 22, na Horta entre 19 e 23 e em Santa Cruz das Flores entre 19 e 24.

Lusa

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.