sicnot

Perfil

País

Assistidas no hospital de Elvas 40 pessoas com vómitos e diarreia

Cerca de 40 pessoas oriundas de uma freguesia rural de Elvas deram entrada, desde domingo, nas urgências do hospital daquela cidade alentejana com vómitos e diarreia, disse hoje à agência Lusa fonte hospitalar.

No distrito de Beja, registaram-se quatro inundações em habitações, em Beja, Serpa e Castro Verde. (Google Maps)

No distrito de Beja, registaram-se quatro inundações em habitações, em Beja, Serpa e Castro Verde. (Google Maps)

De acordo com a fonte da Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano (ULSNA), duas pessoas permanecem internadas no hospital para fazer um conjunto de análises, apresentando agora um quadro clínico "estável".

O delegado de saúde pública de Elvas, José Martins, relatou à Lusa que os casos ocorreram na freguesia rural de Terrugem, tendo este episódio afetado pessoas de " todas as faixas etárias".

O responsável, que sublinhou que o número de casos está a diminuir, atribui a origem deste episódio, à partida, ao calor registado e que provoca, na maioria das vezes, a perda de qualidade aos alimentos que são ingeridos.

"A conjugação do calor faz com que os alimentos não fiquem em condições, podendo aparecer vírus nestes dias mais quentes", disse.

No entanto, José Martins referiu que já foram feitas análises à água da rede pública e das piscinas municipais de Terrugem, não havendo registo de qualquer irregularidade.

O delegado de saúde pública de Elvas assegurou ainda que as análises vão ser repetidas "por uma questão de cautela".

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Donald Trump em Israel
    2:14
  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.