sicnot

Perfil

País

Marcelo lamenta e condena assassínio de português na Venezuela

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou e condenou hoje a morte do cidadão português Carlos Gouveia, que foi sequestrado e assassinado com violência na Venezuela, aos 42 anos.

JOS\303\211 COELHO

"Ao tomar conhecimento da morte trágica de Carlos Gouveia, cidadão português radicado na Venezuela, o Presidente da República apresenta à família enlutada as suas mais sentidas condolências", lê-se numa nota divulgada na página da Presidência da República.

O chefe de Estado refere que Carlos Gouveia, comerciante na Venezuela foi "sequestrado e barbaramente assassinado", acrescentando: "Era um membro da nossa numerosa comunidade naquele país, cuja morte devemos lamentar, não apenas pelo que representa enquanto tragédia humana e familiar, mas também pelo que de nós exige quanto a uma condenação firme e inabalável de todas as formas de violência".

A propósito deste caso, Marcelo Rebelo de Sousa considera que "os portugueses da diáspora são cidadãos exemplares nas respetivas comunidades de acolhimento" e deixa uma mensagem em particular para os cidadãos residentes na Venezuela.

O Presidente da República manifesta-lhes "a sua mais profunda solidariedade, garantindo-lhes que fará tudo o que está ao seu alcance para que possam cumprir os sonhos que os levaram àquele grande país, que deve ser uma terra de promessas e oportunidades mas igualmente um lugar de paz, democracia, respeito dos direitos humanos, estabilidade e segurança".

Na semana passada, soube-se que as autoridades venezuelanas tinham localizado e enterrado, sem autorização da família, o cadáver de Carlos Gouveia, comerciante português de 42 anos, que estava desaparecido desde 23 de maio.

Segundo informações prestadas por fontes policiais na quarta-feira passada, Carlos Gouveia foi sequestrado e assassinado por desconhecidos que lhe cortaram a cabeça e as mãos, o que dificultou o trabalho de identificação.

O assassínio está a ser investigado pela polícia, que suspeita de um eventual envolvimento de algum dos inquilinos a quem a vítima alugava quartos da sua casa.

Em 2015 ocorreram mais de 18 mil assassínios na Venezuela.

Lusa

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.