sicnot

Perfil

País

Redes sociais são a principal fonte de notícias para cada vez mais pessoas

O diretor do OberCom afirmou hoje que há uma mudança do padrão de consumo de notícias em Portugal, baseando-se num estudo que mostra que as redes sociais são a principal fonte de notícias para cada vez mais pessoas.

© Rick Wilking / Reuters

O Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo apresentou hoje, em Lisboa, o Digital News Report, um inquérito aplicado em 26 países, entre os quais Portugal, para comparar hábitos de consumo de notícias no mundo, e que contou no país com a participação do OberCom - Observatório da Comunicação, enquanto parceiro estratégico para a análise da situação portuguesa.

"Assistimos a um crescimento muito grande do número de pessoas que buscam notícias nas redes sociais, em particular no Facebook, isso também ligado ao aumento da utilização de telemóveis e de ecrãs mais pequenos. Estamos a passar de uma descida de utilização de notícias em computador, de secretária ou computador portátil, para o consumo de notícias em smartphones", apontou o diretor do OberCom, Gustavo Cardoso.

Os dados chave para Portugal mostram que os media sociais estão a ganhar peso nos hábitos noticiosos dos portugueses, sendo que 15,9% dizem ser esta a sua principal fonte de notícias, o que representa um aumento de 4,1% face a 2015.

Apesar de utilizarem cada vez mais as redes sociais para aceder a notícias, os portugueses ainda não fazem deste recurso a sua principal forma de acesso, continuando a televisão a ser um pilar fundamental no seu quotidiano informativo, ao ser utilizada por 52,5% dos inquiridos, menos 2,5% em termos homólogos.

A Internet surge em segundo lugar, com 34,7%, o que corresponde a uma subida de 1,7% face a 2015.

"Somos um país de televisão para a consulta de notícias, depois somos um país de imprensa e de escrita, mas a internet e as redes sociais vieram baralhar um pouco aquilo que era tradicionalmente a lógica daquilo que era a nossa relação com as notícias", disse.

No que diz respeito às redes sociais mais utilizadas, o Facebook é usado por 62,7% dos inquiridos para a consulta de notícias, seguido da plataforma de Youtube, que ainda assim viu a sua percentagem de utilizadores a cair quase 10 pontos percentuais entre 2015 e 2016.

Gustavo Cardoso apontou ainda algumas curiosidades sobre a situação de Portugal.

"O nosso grupo devia ser o dos países do sul da Europa, nomeadamente ao nível da confiança nas notícias, nas empresas produtoras de notícias e nos jornalistas. E aquilo que verificamos é que somos muito diferentes de Espanha, França e Itália e estamos muito mais próximos da Escandinávia em termos do nível de confiança de notícias", disse.

Por exemplo, o nível de confiança "é muito mais parecido com o de países como a Suécia do que do de países como a Espanha", sendo mais elevado do que nos países do sul.

Mas também no caso do pagamento de notícias 'online' o padrão português está mais próximo do de alguns países do norte, como o Reino Unido, embora seja necessário dizer que tal depende do valor que se paga, explicou Gustavo Cardoso.

"Temos mais gente de 2015 para 2016 a pagar notícias online, deixamos de ser um dos países com menos utilizadores de internet a pagar por notícias", afirmou Gustavo Cardoso, adiantando que em Portugal houve um crescimento de 2,1 pontos percentuais entre o ano passado e este ano, de 7% para os 9,1%, um indicador que continua a estar ainda assim bastante abaixo do de países como a Alemanha ou os Estados Unidos.

Lusa

  • Atentados na Catalunha estão relacionados

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.