sicnot

Perfil

País

Redes sociais são a principal fonte de notícias para cada vez mais pessoas

O diretor do OberCom afirmou hoje que há uma mudança do padrão de consumo de notícias em Portugal, baseando-se num estudo que mostra que as redes sociais são a principal fonte de notícias para cada vez mais pessoas.

© Rick Wilking / Reuters

O Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo apresentou hoje, em Lisboa, o Digital News Report, um inquérito aplicado em 26 países, entre os quais Portugal, para comparar hábitos de consumo de notícias no mundo, e que contou no país com a participação do OberCom - Observatório da Comunicação, enquanto parceiro estratégico para a análise da situação portuguesa.

"Assistimos a um crescimento muito grande do número de pessoas que buscam notícias nas redes sociais, em particular no Facebook, isso também ligado ao aumento da utilização de telemóveis e de ecrãs mais pequenos. Estamos a passar de uma descida de utilização de notícias em computador, de secretária ou computador portátil, para o consumo de notícias em smartphones", apontou o diretor do OberCom, Gustavo Cardoso.

Os dados chave para Portugal mostram que os media sociais estão a ganhar peso nos hábitos noticiosos dos portugueses, sendo que 15,9% dizem ser esta a sua principal fonte de notícias, o que representa um aumento de 4,1% face a 2015.

Apesar de utilizarem cada vez mais as redes sociais para aceder a notícias, os portugueses ainda não fazem deste recurso a sua principal forma de acesso, continuando a televisão a ser um pilar fundamental no seu quotidiano informativo, ao ser utilizada por 52,5% dos inquiridos, menos 2,5% em termos homólogos.

A Internet surge em segundo lugar, com 34,7%, o que corresponde a uma subida de 1,7% face a 2015.

"Somos um país de televisão para a consulta de notícias, depois somos um país de imprensa e de escrita, mas a internet e as redes sociais vieram baralhar um pouco aquilo que era tradicionalmente a lógica daquilo que era a nossa relação com as notícias", disse.

No que diz respeito às redes sociais mais utilizadas, o Facebook é usado por 62,7% dos inquiridos para a consulta de notícias, seguido da plataforma de Youtube, que ainda assim viu a sua percentagem de utilizadores a cair quase 10 pontos percentuais entre 2015 e 2016.

Gustavo Cardoso apontou ainda algumas curiosidades sobre a situação de Portugal.

"O nosso grupo devia ser o dos países do sul da Europa, nomeadamente ao nível da confiança nas notícias, nas empresas produtoras de notícias e nos jornalistas. E aquilo que verificamos é que somos muito diferentes de Espanha, França e Itália e estamos muito mais próximos da Escandinávia em termos do nível de confiança de notícias", disse.

Por exemplo, o nível de confiança "é muito mais parecido com o de países como a Suécia do que do de países como a Espanha", sendo mais elevado do que nos países do sul.

Mas também no caso do pagamento de notícias 'online' o padrão português está mais próximo do de alguns países do norte, como o Reino Unido, embora seja necessário dizer que tal depende do valor que se paga, explicou Gustavo Cardoso.

"Temos mais gente de 2015 para 2016 a pagar notícias online, deixamos de ser um dos países com menos utilizadores de internet a pagar por notícias", afirmou Gustavo Cardoso, adiantando que em Portugal houve um crescimento de 2,1 pontos percentuais entre o ano passado e este ano, de 7% para os 9,1%, um indicador que continua a estar ainda assim bastante abaixo do de países como a Alemanha ou os Estados Unidos.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28