sicnot

Perfil

País

Redes sociais são a principal fonte de notícias para cada vez mais pessoas

O diretor do OberCom afirmou hoje que há uma mudança do padrão de consumo de notícias em Portugal, baseando-se num estudo que mostra que as redes sociais são a principal fonte de notícias para cada vez mais pessoas.

© Rick Wilking / Reuters

O Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo apresentou hoje, em Lisboa, o Digital News Report, um inquérito aplicado em 26 países, entre os quais Portugal, para comparar hábitos de consumo de notícias no mundo, e que contou no país com a participação do OberCom - Observatório da Comunicação, enquanto parceiro estratégico para a análise da situação portuguesa.

"Assistimos a um crescimento muito grande do número de pessoas que buscam notícias nas redes sociais, em particular no Facebook, isso também ligado ao aumento da utilização de telemóveis e de ecrãs mais pequenos. Estamos a passar de uma descida de utilização de notícias em computador, de secretária ou computador portátil, para o consumo de notícias em smartphones", apontou o diretor do OberCom, Gustavo Cardoso.

Os dados chave para Portugal mostram que os media sociais estão a ganhar peso nos hábitos noticiosos dos portugueses, sendo que 15,9% dizem ser esta a sua principal fonte de notícias, o que representa um aumento de 4,1% face a 2015.

Apesar de utilizarem cada vez mais as redes sociais para aceder a notícias, os portugueses ainda não fazem deste recurso a sua principal forma de acesso, continuando a televisão a ser um pilar fundamental no seu quotidiano informativo, ao ser utilizada por 52,5% dos inquiridos, menos 2,5% em termos homólogos.

A Internet surge em segundo lugar, com 34,7%, o que corresponde a uma subida de 1,7% face a 2015.

"Somos um país de televisão para a consulta de notícias, depois somos um país de imprensa e de escrita, mas a internet e as redes sociais vieram baralhar um pouco aquilo que era tradicionalmente a lógica daquilo que era a nossa relação com as notícias", disse.

No que diz respeito às redes sociais mais utilizadas, o Facebook é usado por 62,7% dos inquiridos para a consulta de notícias, seguido da plataforma de Youtube, que ainda assim viu a sua percentagem de utilizadores a cair quase 10 pontos percentuais entre 2015 e 2016.

Gustavo Cardoso apontou ainda algumas curiosidades sobre a situação de Portugal.

"O nosso grupo devia ser o dos países do sul da Europa, nomeadamente ao nível da confiança nas notícias, nas empresas produtoras de notícias e nos jornalistas. E aquilo que verificamos é que somos muito diferentes de Espanha, França e Itália e estamos muito mais próximos da Escandinávia em termos do nível de confiança de notícias", disse.

Por exemplo, o nível de confiança "é muito mais parecido com o de países como a Suécia do que do de países como a Espanha", sendo mais elevado do que nos países do sul.

Mas também no caso do pagamento de notícias 'online' o padrão português está mais próximo do de alguns países do norte, como o Reino Unido, embora seja necessário dizer que tal depende do valor que se paga, explicou Gustavo Cardoso.

"Temos mais gente de 2015 para 2016 a pagar notícias online, deixamos de ser um dos países com menos utilizadores de internet a pagar por notícias", afirmou Gustavo Cardoso, adiantando que em Portugal houve um crescimento de 2,1 pontos percentuais entre o ano passado e este ano, de 7% para os 9,1%, um indicador que continua a estar ainda assim bastante abaixo do de países como a Alemanha ou os Estados Unidos.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.