sicnot

Perfil

País

Carlos Cruz sai ainda hoje em liberdade

O ex-apresentador de televisão Carlos Cruz, condenado no âmbito do processo Casa Pia, vai sair ainda hoje em liberdade, do Estabelecimento Prisional da Carregueira, Sintra, disse à agência Lusa uma fonte dos serviços prisionais.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

A mesma fonte adiantou à Lusa que já chegou à cadeia a notificação do tribunal sobre a liberdade condicional de Carlos Cruz.

Uma fonte do Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) precisou que o acórdão da Relação "foi comunicado de imediato ao Tribunal de Execução de Penas [TEP] e ao estabelecimento prisional, onde o arguido se encontrava detido".

A partir do momento em que segue a notificação do acórdão para o TEP e para o estabelecimento prisional, o arguido pode ser libertado de imediato, sublinhou a mesma fonte.

Inicialmente, Ricardo Sá Fernandes, advogado de Carlos Cruz, disse à Lusa que a saída do seu constituinte só se concretizaria quando o acórdão do TRL baixasse ao TEP, cabendo a esta instância emitir a ordem saída.

Desta forma, Ricardo Sá Fernandes admitiu como improvável a possibilidade de Carlos Cruz sair ainda hoje em liberdade, prevendo que tal só acontecesse dentro de "dois ou três dias".

Carlos Cruz, que já completou dois terços da pena de seis anos de prisão a que foi condenado, no âmbito do processo Casa Pia, venceu um recurso apresentado na Relação de Lisboa, contra a decisão do Tribunal de Execução de Penas (TEP), que, em março, recusou o pedido de liberdade condicional.

O ex-apresentador de televisão tem estado a cumprir a pena no Estabelecimento Prisional da Carregueira, no concelho de Sintra, e já teve direito a duas saídas precárias, em dezembro de 2015 e no passado mês de março, por altura do seu aniversário.

Lusa

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.

  • Trump acusa o procurador-geral dos EUA de ser fraco
    1:46