sicnot

Perfil

País

"Estou preparado para um novo julgamento"

"Estou preparado para um novo julgamento"

O ex-apresentador de televisão Carlos Cruz, condenado no âmbito do processo Casa Pia, saiu esta quinta-feira em liberdade condicional, do Estabelecimento Prisional da Carregueira, Sintra.

Carlos Cruz, que já completou dois terços da pena de seis anos de prisão a que foi condenado, no âmbito do processo Casa Pia, venceu um recurso apresentado na Relação de Lisboa, contra a decisão do Tribunal de Execução de Penas (TEP), que, em março, recusara o pedido de liberdade condicional.

O ex-apresentador de televisão tem estado a cumprir a pena no Estabelecimento Prisional da Carregueira, no concelho de Sintra, e teve direito a duas saídas precárias, em dezembro de 2015 e no passado mês de março, por altura do seu aniversário.

"Isto não acaba aqui", declarou Carlos Cruz à saída do Estabelecimento Prisional da Carregueira, Sintra, onde era aguardado por familiares e pelo seu advogado, Ricardo Sá Fernandes.

O antigo apresentador de televisão garantiu que vai "continuar a suscitar todas as entidades nacionais e internacionais", até que reconheçam que está inocente.

Questionado pelos jornalistas, sobre o facto de o acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa impor que Carlos Cruz procure trabalho, o ex-apresentador reiterou que recebeu alguns convites para "fazer coisas" ligadas à comunicação, mas que é "prematuro" assegurar se vai conseguir ou não arranjar trabalho, observando que é um reformado e não um desempregado.

Com Lusa

  • Taxa de desemprego abaixo dos 10%

    Economia

    A taxa de desemprego em fevereiro ficou afinal nos 9,9%. O Instituto Nacional de Estatística reviu o indicador em baixa de 0,1 pontos percentuais, esta sexta-feira. É o valor mais baixo desde fevereiro de 2009.

  • "Tanolas" tem cadastro criminal e já foi condenado a pena suspensa
    0:55
  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.