sicnot

Perfil

País

BE diz que Barroso na Goldman Sachs atesta "falta de vergonha da elite europeia"

O Bloco de Esquerda (BE) considerou hoje que a entrada de Durão Barroso na Goldman Sachs atesta que "não há vergonha na elite europeia" e que a "qualidade da democracia tem ainda muito caminho para fazer" no espaço europeu.

JOS\303\211 COELHO

"Termos um ex-presidente da Comissão Europeia a assumir o lugar de 'chairman' [da Goldman Sachs] significa, na prática, que não há vergonha na elite europeia da qual Durão Barroso faz parte", defende Pedro Filipe Soares, líder parlamentar do Bloco.

O bloquista falava à agência Lusa depois de ser conhecido hoje que a Goldman Sachs International (GSI) nomeou José Manuel Durão Barroso - antigo primeiro-ministro de Portugal e antigo presidente da Comissão Europeia - para seu presidente não executivo e consultor do banco de investimento.

"Que a Goldman Sachs é um grupo económico com escolhas duvidosas, ninguém duvidava. Que tem uma fama perto de miserável, ninguém duvida", prosseguiu Pedro Filipe Soares, acrescentando que a entidade esteve no "furacão" da crise financeira e económica de 2008.

A chegada de Barroso à entidade representa "mais um dos casos, não o único e infelizmente não o último" de "falta de vergonha de agentes privados e públicos", critica ainda o líder parlamentar do BE.

"A sua perspetiva, capacidade de avaliação e aconselhamento irão acrescentar muito valor ao Conselho de Administração da Goldman Sachs International, à Goldman Sachs, aos seus acionistas e trabalhadores", refere a instituição, com sede em Nova Iorque, sobre o antigo presidente do executivo comunitário.

Durão Barroso foi presidente da Comissão Europeia de 2004 a 2014 e primeiro-ministro de Portugal de 2002 a 2004.

Foi eleito pela primeira vez para o parlamento português em 1985, ocupando em sucessivos governos os cargos de secretário de Estado da Administração Interna, secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, e ministro dos Negócios Estrangeiros.

Em 1999, foi eleito presidente do Partido Social Democrata e tornou-se líder da oposição.

Antes de iniciar a sua vida política, Durão Barroso assumiu várias posições académicas, entre as quais como professor convidado da Georgetown University.

Mais recentemente, sinaliza a nota da Goldman Sachs, foi professor convidado de Política Económica Internacional na Universidade de Princeton.

É atualmente também professor convidado na Universidade Católica, em Lisboa, na Universidade de Genebra, e no Instituto de Altos Estudos Internacionais e do Desenvolvimento na mesma cidade.

José Manuel Durão Barroso foi reconhecido com vários graus honorários e recebeu mais de 60 condecorações, prémios e distinções, incluindo a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo e o Grande Colar da Ordem do Infante Dom Henrique.

Lusa

  • Chuva deixa em alerta 12 distritos do continente

    País

    Doze distritos do continente estão hoje sob aviso amarelo devido à previsão de chuva, que pode ser pontualmente forte e acompanhada por trovoadas e granizo, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • A experiência de um embaixador português na Coreia do Norte
    2:58

    País

    A Coreia do Norte tem o maior orçamento militar do mundo e o seu arsenal nuclear acaba por dar-lhe acesso a uma possível cimeira com os Estados Unidos. A pobreza e o culto da personalidade foram testemunhados pelo embaixador, José Manuel de Jesus, que visitou várias vezes Pyongyang.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.