sicnot

Perfil

País

Deputados querem ouvir Governo sobre exoneração do ex-presidente da CCDR-N

A comissão parlamentar de Economia vai pedir a presença do Governo para esclarecer os motivos que levaram à exoneração de Emídio Gomes do cargo de presidente da Comissão de Coordenação da Região Norte (CCDR-N).

(Lusa/Arquivo)

Emídio Gomes foi exonerado pelo Governo num despacho, publicado a 01 de julho, pela "não-observação das orientações superiormente fixadas" e foi hoje prestar esclarecimentos aos deputados da Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, na Assembleia da República (AR),

O ex-presidente da CCDR-N admitiu que, de facto, não acatou uma ordem no que respeita à distribuição de fundos comunitários, que lhe foi transmitida "por escrito" pelo secretário de Estado do Desenvolvimento e da Coesão "48 horas antes da cerimónia pública oficial", por considerar que "a orientação ultrapassava em muito uma orientação" e "violava princípios" como o da concorrência e da transparência.

Em causa estava a distribuição de um pacote adicional de 20,4 milhões euros para a região, provenientes do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU), anunciado pelo Governo.

"O que me foi pedido foi que abrisse a candidatura a 29 municípios, sendo que já estava decidida de antemão qual a distribuição de valores", disse, salientando que foi o secretário de Estado da tutela que "pediu formalmente" o lançamento do aviso.

Emídio Gomes disse, entretanto, ter "sabido pelos jornais" que o Governo negociou com sete municípios a majoração das respetivas verbas através deste pacote, superior a 20 milhões de euros, o que contestou.

"Foi-me dito que eu estava a rejeitar uma orientação. Não fui tido nem achado com o aviso. Eu soube das negociações pelos jornais", destacou, salientando que, naquele contexto, "tomou a decisão" que achou "que devia tomar".

"A minha leitura foi a de que estava a ser alvo de uma ingerência e não [de] uma orientação. (...) Na minha análise pessoal, quem quebrou as regras foi o Governo", acrescentou.

Para o deputado do CDS-PP, Pedro Mota Soares, esta questão "pode não ser apenas e só uma quebra de princípios, mas pode configurar também uma ilegalidade".

"Vou continuar a questionar a legalidade da decisão. Se há o princípio de que todos os municípios se podem candidatar de igual forma, poderá haver sanções a Portugal por não cumprir regras comunitárias. (...) Há uma ordem por escrito. E isso pode pôr em causa a posição de Portugal", defendeu o deputado centrista.

A audição da tutela foi subscrita pelos restantes partidos, inclusive o PS, "por ter sido posta em causa a legalidade da ordem".

O Bloco de Esquerda quer também ouvir a Área Metropolitana do Porto "porque em causa está a eterna divisão de verbas" nesta área.

Com Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.