sicnot

Perfil

País

Hospitais sem médicos para cumprir programa de rastreios ao cancro do cólon

​A Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia queixa-se de que faltam médicos nos hospitais para cumprir o programa de rastreios ao cancro do cólon e do reto e acusa o Governo de estar a asfixiar as unidades hospitalares. A Sociedade está preocupada, nomeadamente, com a falta de substituição dos gastrenterologistas que vão saindo dos hospitais.

Regis Duvignau / Reuters

"Tem havido, contrariamente ao que foi prometido, uma estratégia de diminuição dos recursos humanos hospitalares, levando à completa exaustão dos reduzidos recursos que existem neste momento", afirmou José Cotter, presidente da Sociedade de Gastrenterologia, em declarações à agência Lusa.

"Estou no terreno e sei que médicos que têm saído não são substituídos, apesar dos múltiplos pedidos. Isto é uma situação insustentável", afirmou José Cotter, que hoje participará no I Congresso da Europacolon Portugal, que se realiza no Porto.

O médico explica que os rastreios ao cancro colorretal passam necessariamente pelos hospitais, quando há uma lesão ou alguma complicação com o doente.

"Há necessidade absoluta de manter os rastreios extra-hospitalares [através das colonoscopias feitas nas entidades concessionadas]. Por outro lado, há a necessidade de ter recursos humanos que permitam, nos hospitais, que esta estratégia de rastreio tenha um princípio, um meio e um fim, ou fica amputado o circuito", justificou o responsável da Sociedade de Gastrenterologia.

A par do que considera ser a escassez de recursos humanos nos hospitais, José Cotter manifesta-se preocupado com a falta de pagamento da tutela a entidades convencionadas que realizam colonoscopias. por acordo com o Serviço Nacional de Saúde.

"A tutela diz que vai implementar o rastreio de base populacional do cancro do cólon até ao final do ano, por outro lado, acontece uma situação inédita: no mês passado a tutela não pagou aos prestadores", indicou.

Para José Cotter, as falhas de pagamento não se podem repetir, uma vez que podem pôr em causa a adesão dos prestadores, logo, os próprios rastreios.

O cancro do cólon e do reto é o que provoca mais mortalidade em Portugal. Só em 2014, houve 7 mil casos da doença, com a mortalidade a 5 anos a ser de 50%.

Os rastreios permitem detetar casos precocemente e, de forma atempada, podem fazer com que a sobrevida atinja os 90% aos 5 anos.

Com Lusa

  • Marcelo já teve alta após "queda abrupta de tensão"
    2:53
  • Jorge Jesus emocionado à partida para o Al Hilal
    1:26

    Desporto

    O treinador Jorge Jesus está de partida para a Arábia Saudita, onde vai orientar o Al Hilar. Este sábado, no Aeroporto de Lisboa, emocionou-se quando questionado sobre o que mais lhe custa deixar: "a família e os amigos". Mas também se mostrou certo de que em breve voltará a Portugal.

  • México bate Coreia do Sul e está quase apurado

    Mundial 2018 / República da Coreia

    O México derrotou este sábado a Coreia do Sul por 2-1, na 2.ª jornada do grupo F, e ficou perto de garantir a passagem aos oitavos-de-final.

  • Bélgica goleia Tunísia e fica muito perto dos oitavos

    Mundial 2018 / Bélgica

    A Bélgica derrotou este sábado a Tunísia por 5-2, na 2.ª jornada do grupo G, e ficou muito perto de garantir o apuramento para os oitavos-de-final do campeonato do mundo. Veja aqui os golos e os principais lances do encontro.

  • Moutinho continua sem treinar, Raphael Guerreiro recuperou
    1:35
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28
  • A opinião de Francisco Louçã
    14:51

    Opinião

    No habitual espaço de comentário semanal na Edição da Noite, Francisco Louçã analisou o Serviço Nacional de Saúde, o imposto sobre os combustíveis, a guerra entre professores e Governo e a lei das rendas.