sicnot

Perfil

País

Militares da GNR em passeio para demonstrar "desagrado e descontentamento"

Militares da GNR, fardados e à civil, realizaram hoje um passeio no Terreiro do Paço, em Lisboa, junto ao Ministério da Administração Interna (MAI), para demonstrarem o "desagrado e descontentamento" sobre a forma como têm sido tratados.

Em causa estão os cortes nas pensões e de direiros, além da não aprovação do estatuto profissional da GNR, prometido desde o anterior Governo PSD/CDS, disse à agência Lusa um militar presente no protesto.

O passeio, que não foi organizado pelas associações socioprofissionais, foi realizado durante a hora do almoço e convocado através de mensagens de telemóvel e passagem de informação.

O militar da Guarda Nacional Republicana adiantou que muitos dos profissionais da corporação aproveitaram a hora de almoço para irem "passear ao Terreiro do Paço e demonstrarem o descontentamento e desagrado sobre a forma como estão a ser tratados", num protesto que não teve direito a cartazes ou palavras de ordem.

"Queremos que se aplique a lei. Estamos muito desiludidos com António Costa. Esta foi uma lei aprovada por ele enquanto ministro da Administração Interna", disse à Lusa outro militar presente no passeio, referindo-se aos cortes nas pensões de reforma devido aos cálculos "ilegais" que estão a ser realizados pela Caixa Geral de Aposentações (CGA).

Após o passeio, as cinco associações socioprofissionais da GNR consideraram, em comunicado, que esta iniciativa "é um sinal claro, demonstrativo do mal-estar e revolta vividas no seio da Instituição", principalmente devido aos cortes nas pensões.

"Esta união sem precedentes na história do associativismo dos militares da GNR, mais não é do que o reflexo de um sentimento de injustiça e falta de respeito por tudo aquilo que representa o risco e a vida de ser militar, profissional e vestir uma farda", adiantam as cinco associações socioprofissionais.

As Associações alertam ainda o Governo e a tutela para possíveis formas de luta no futuro, caso a situação não seja resolvida.

"Isto é uma bomba atómica, não sabemos é quando vai explodir", disse ainda à Lusa um outro militar que participou no passeio, que durou cerca de 45 minutos.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.