sicnot

Perfil

País

Militares da GNR em passeio para demonstrar "desagrado e descontentamento"

Militares da GNR, fardados e à civil, realizaram hoje um passeio no Terreiro do Paço, em Lisboa, junto ao Ministério da Administração Interna (MAI), para demonstrarem o "desagrado e descontentamento" sobre a forma como têm sido tratados.

Em causa estão os cortes nas pensões e de direiros, além da não aprovação do estatuto profissional da GNR, prometido desde o anterior Governo PSD/CDS, disse à agência Lusa um militar presente no protesto.

O passeio, que não foi organizado pelas associações socioprofissionais, foi realizado durante a hora do almoço e convocado através de mensagens de telemóvel e passagem de informação.

O militar da Guarda Nacional Republicana adiantou que muitos dos profissionais da corporação aproveitaram a hora de almoço para irem "passear ao Terreiro do Paço e demonstrarem o descontentamento e desagrado sobre a forma como estão a ser tratados", num protesto que não teve direito a cartazes ou palavras de ordem.

"Queremos que se aplique a lei. Estamos muito desiludidos com António Costa. Esta foi uma lei aprovada por ele enquanto ministro da Administração Interna", disse à Lusa outro militar presente no passeio, referindo-se aos cortes nas pensões de reforma devido aos cálculos "ilegais" que estão a ser realizados pela Caixa Geral de Aposentações (CGA).

Após o passeio, as cinco associações socioprofissionais da GNR consideraram, em comunicado, que esta iniciativa "é um sinal claro, demonstrativo do mal-estar e revolta vividas no seio da Instituição", principalmente devido aos cortes nas pensões.

"Esta união sem precedentes na história do associativismo dos militares da GNR, mais não é do que o reflexo de um sentimento de injustiça e falta de respeito por tudo aquilo que representa o risco e a vida de ser militar, profissional e vestir uma farda", adiantam as cinco associações socioprofissionais.

As Associações alertam ainda o Governo e a tutela para possíveis formas de luta no futuro, caso a situação não seja resolvida.

"Isto é uma bomba atómica, não sabemos é quando vai explodir", disse ainda à Lusa um outro militar que participou no passeio, que durou cerca de 45 minutos.

Lusa

  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15

    País

    Os fogos mais violentos começaram na Lousã, no distrito de Coimbra, e o cenário é desolador. Casas e empresas foram totalmente destruídas. Paulo Carvalho era dono de uma carpintaria, que foi reduzida a um monte de escombros.

  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10

    País

    As autoridades confirmaram a morte de oito pessoas no concelho de Vouzela. Agora é tempo de fazer o luto e tentar reerguer o que foi destruído pelo fogo. Os testemunhos emocionados dos moradores e do autarca relatam a destruição deixada pelas chamas. Custódia perdeu quase tudo. José teve de comprar um gerador para continuar a dar de beber às galinhas.

  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.