sicnot

Perfil

País

Portugal com segunda menor taxa de natalidade bruta da UE em 2015

Portugal teve, em 2015, a segunda menor taxa bruta de natalidade da União Europeia (8,3 por mil habitantes) e um crescimento natural negativo de -2,2 por mil habitantes, segundo o Eurostat.

Reuters

No mesmo ano, a média da UE registou, pela primeira vez, uma taxa de crescimento natural -- diferença entre nascimentos e mortes -- negativa, -0,3 por mil habitantes, tendo registado 5,1 milhões de recém-nascidos e 5,2 milhões de óbitos.

A Irlanda (14,2 por mil habitantes) tem a maior taxa bruta de natalidade, seguindo-se a França (12,0 por mil habitantes), o Reino Unido (11,9 por mil habitantes) e a Suécia (11,7 por mil habitantes), enquanto as mais baixas foram observadas em Itália (8,0 por mil habitantes), Portugal (8,3 por mil habitantes) e Grécia (8,5 por mil habitantes).

Segundo o gabinete oficial de estatísticas da UE, a média dos 28 Estados-membros é de uma natalidade bruta de 10,0 por mil habitantes.

Apesar da taxa de crescimento natural negativa, de 2015 para 2016, a população da UE aumentou em quase dois milhões de pessoas (3,5 por mil habitantes), o que se explica pelo fluxo migratório.

Lusa

  • "A vitória de Bruno de Carvalho pode ser uma vitória de Pirro"
    1:01
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As eleições para a presidência do Sporting realizam-se no próximo sábado e os comentadores d'O Dia Seguinte avaliaram já as hipóteses de vitória dos candidatos. Rui Gomes da Silva considera que a gravação que implicava José Maria Ricciardi não vai influenciar a decisão de voto. Já Paulo Farinha Alves acredita que Bruno de Carvalho vai vencer a eleição. Contudo José Guilherme Aguiar avisa as eleições podem não trazer estabilidade ao Sporting.

  • SIC revela relatório que provava falência do GES
    2:06
  • Sócrates acusa Cavaco de conspiração
    0:57
  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22
  • Como a maioria de Esquerda gere as votações
    2:15

    País

    A gestão entre os partidos é feita diariamente mas nem sempre PCP e Bloco de Esquerda têm votado ao lado do Governo. A SIC ouviu um politólogo, que diz que o objetivo é cada um salientar as diferenças que os separam do PS. No entanto, também há exemplos que provam que nenhum dos partidos quer pôr em causa a estabilidade política.