sicnot

Perfil

País

Condenado a nove anos de prisão por balear ex-namorada em St.ª Maria da Feira

O Tribunal da Feira condenou hoje a nove anos de prisão, em cúmulo jurídico, um homem acusado de ter baleado a ex-companheira há cerca de um ano, em Nogueira de Regedoura, por não aceitar a separação.

Julio Cortez

O tribunal deu como provado que o homem, de 53 anos, "agiu com a intenção de matar a ex-companheira", mas absolveu o arguido da acusação de homicídio qualificado na forma tentada, porque prestou socorro à vítima, após ter efetuado os disparos.

O arguido, atualmente em prisão preventiva, foi condenado a sete anos de prisão, por um crime de ofensa à integridade física grave qualificada, e seis meses, por um crime de ofensa à integridade física simples.

Foi ainda condenado a dois anos e oito meses de prisão, por um crime de violência doméstica, um ano e meio, por um crime de detenção ilegal de arma proibida, e um ano, por um crime de violação de domicílio.

Em cúmulo jurídico, foi-lhe aplicada uma pena única de nove anos de prisão.

Além da pena de prisão, o arguido terá de pagar uma indemnização de 30 mil euros à ex-companheira, por danos não patrimoniais, e 1.500 euros ao Centro Hospitalar do Entre Douro e Vouga, por despesas hospitalares resultantes da prestação de cuidados à vítima.

Apesar de confessar os factos, a juíza presidente referiu que o arguido "não evidenciou um sentimento sincero de arrependimento" tendo, pelo contrário, "tentado vitimizar-se".

Durante o julgamento, o arguido disse que não teve intenção de matar a mulher, afirmando que atirou o primeiro tiro "para assustá-la ou para a magoar".

O arguido assumiu ainda estar arrependido do que fez, adiantando que após ter efetuado os disparos limpou a ex-companheira, que estava cheia de sangue, e a seguir telefonou para o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), a pedir auxílio.

"Ela estava a ficar muito roxa e chamei o INEM e depois entreguei-me à GNR", afirmou.

Antes de chegarem os médicos e a GNR ainda teve tempo de esconder a pistola na zona de mato defronte da casa onde tinha aguardado a chegada da antiga companheira.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), o homem começou a perseguir e a ameaçar de morte a ex-companheira, após o fim da relação amorosa, em maio de 2015.

Estes atos culminaram com a tentativa de pôr termo à vida daquela, na manhã do dia 10 de agosto de 2015, junto à residência onde a ex-companheira trabalhava como empregada doméstica, em Nogueira de Regedoura.

Quando a mulher chegou ao local, o arguido saiu de uma mata onde se encontrava escondido, e efetuou dois disparos com uma arma de fogo, tendo um deles atingido a ofendida, que conseguiu refugiar-se na vivenda.

A proprietária da habitação, que se encontrava grávida de cinco meses, conseguiu fugir para o jardim dos vizinhos, saltando um muro com uma filha de três anos.

O arguido seguiu no encalce da antiga companheira, acabando por encurralá-la num dos quartos da habitação e apontou-lhe novamente a arma disparando mais quatro tiros, dois dos quais atingiram a mulher na perna.

O MP refere ainda que antes deste episódio, o arguido agrediu com pontapés e socos a antiga companheira e duas menores, respetivamente filha e sobrinha da ofendida, que acorreram ao local para tentar pôr termo às agressões.

A mulher, que continua a ser observada pelos serviços de cirurgia geral do Hospital da Feira, não tendo a sua situação clínica estabilizada, diz que continua a viver atemorizada, afirmando que o ex-companheiro continua a telefonar-lhe do estabelecimento prisional insistindo para reatarem o relacionamento, após a sua libertação.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.