sicnot

Perfil

País

Há médicos de Trás-os-Montes a serem deslocados para o Algarve

A falta de ortopedistas nas unidades de saúde do Algarve levou à deslocação de médicos provenientes de Trás-os-Montes, de acordo com a edição de hoje do Jornal de Notícias. No entanto, o Centro hospitalar transmontano é um dos mais carenciados do país.

A incidência de carcinoma da cabeça e pescoço foi de 50 novos casos por ano na população masculina, por 100 mil habitantes, e de 16 novos casos por ano na população feminina, com taxas de mortalidade de 19 e 3, respetivamente.(Arquivo)

A incidência de carcinoma da cabeça e pescoço foi de 50 novos casos por ano na população masculina, por 100 mil habitantes, e de 16 novos casos por ano na população feminina, com taxas de mortalidade de 19 e 3, respetivamente.(Arquivo)

© Regis Duvignau / Reuters

Vários médicos de Trás-os-Montes foram deslocados nas últimas semanas para os hospitais do Algarve, como forma de colmatar a falta de profissionais de saúde na região.

Na edição de hoje do JN, é exposto o exemplo de uma aluna algarvia do ensino básico que partiu um braço e que foi deslocada para o hospital de Santa Maria (Lisboa), a 300 quilómetros de distância, por não haver nenhum ortopedista disponível em serviço. O jornal cita um despacho publicado esta semana em Diário da República, onde é evidenciada a falta de 736 médicos por todo o país.

"As instituições mais carenciadas são o Centro Hospitalar do Algarve e o Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro que agora vão poder contratar 51 e 37 especialistas, respetivamente", lê-se no despacho.

Para colmatar esta falta de médicos no Algarve, foi acionado o sistema de mobilidade parcial, que permite que os médicos possam ser deslocados, sem autorização prévia, durante este periodo de verão em que a população triplica, muito devido ao elevado número de turistas que visitam o sul do país.

Os responsáveis da Administração Regional de Saúde do Algarve admitem que existe uma profunda assimetria de recursos no país, estando estes mais concentrados no Norte e Centro, falhando no interior, no Algarve e Alentejo.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.