sicnot

Perfil

País

Ninho de cagarros em direto na internet

A atividade num ninho com um casal de cagarros, cuja cria deverá nascer dentro de dez dias, no Corvo, Açores, pode ser acompanhada em direto através da internet, iniciativa que acontece pelo quarto ano consecutivo já com "seguidores fiéis".

"Temos tido uma média por ano de cerca de 20 mil visualizações de mais de 50 países. Há seguidores que se vão tornando fiéis", afirmou à Lusa Joaquim Teodósio, coordenador da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) nos Açores, que promove a iniciativa.

Joaquim Teodósio explicou que o equipamento já "está montado desde o início do mês, pelo que é possível seguir em direto em cagarro.spea.pt um ninho de cagarros (Calonectris borealis) na ilha do Corvo, a mais pequena dos Açores.

Segundo um comunicado da SPEA, o ovo está a ser incubado, desde 27 de maio, e dentro de dez dias, aproximadamente, se não ocorrerem imprevistos, nascerá a cria, que se junta ao Hypnos, à Luz e à Lua, "batizadas" nas edições anteriores.

"Já temos seguidores que se vão tornando mais fiéis. E são os seguidores da "lua-de-mel" que batizam as crias, a nosso pedido", explicou, revelando que o dia a dia pode ser acompanhado até à fase em que a cria deixará o ninho, em outubro, tornando-se autónoma.

Até lá, os seguidores da "lua-de-mel" podem acompanhar a par e passo o dia-a-dia destas aves emblemáticas dos Açores, desde "a construção do ninho, os pais a tratarem da cria e o seu crescimento, até à fase em que deixará o ninho", disse.

"Esta iniciativa ganha, ainda, mais relevância pela aproximação que permite das pessoas à espécie. No sofá ou na rua, as pessoas podem observar o comportamento desta família de cagarros e ficar mais sensíveis para a sua conservação. Por exemplo, nos Açores, é muito comum encontrar cagarros caídos nas estradas ou quintais, desorientados com tanta luz que existe nas ilhas. Muitos deles dependem das pessoas para serem salvos e rumar ao oceano, por isso, conhecer a espécie poderá fazer a diferença para a vida de muitos cagarros", refere ainda o coordenador da SPEA Açores, na nota de imprensa.

De acordo com a SPEA, a melhor altura para observar o ninho é à noite, uma vez que os cagarros passam o dia a alimentar-se em alto mar e visitam o ninho durante a noite.

A SPEA defende que os Açores acolhem uma das maiores populações de cagarros de todo o mundo - 60% da sua população mundial nidifica nestas ilhas.

"O cagarro é uma ave marinha, essencialmente pelágica, que tolera ventos fortes e águas agitadas, passando a grande maioria da sua vida no mar, só vindo a terra uma vez por ano na altura da nidificação. Nidifica em fendas rochosas de falésias, em cavidades naturais do solo ou em buracos escavados no solo, indica a SPEA.

Esta iniciativa é realizada em parceria com a MEO, Câmara Municipal do Corvo e o Governo dos Açores, no âmbito da implementação do Plano de Ação Pós-Projeto LIFE "Ilhas Santuário para as Aves Marinhas", com o objetivo de promover e dar a conhecer a ave mais emblemática dos Açores.

Lusa

  • Campanha S.O.S. Cagarro salva milhares de aves em perigo nos Açores
    7:42

    País

    Foram salvos cerca de sete mil cagarros durante a campanha SOS Cagarro, nos Açores. A iniciativa, promovida todos os anos pela Secretaria Regional dos Recursos Naturais, visa envolver a comunidade no salvamento dos cagarros juvenis, aves marinhas que nidificam no arquipélago e que têm um elevado o risco de mortalidade por colisão ou atropelamento. Os alunos açorianos são sensibilizados desde o Jardim de Infância para protegerem as aves.

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.