sicnot

Perfil

País

Douro prevê quebra de produção de vinho a rondar os 30%

A Região Demarcada do Douro (RDD) poderá produzir nesta vindima entre as 192 mil a 211 mil pipas de vinhos, prevendo-se uma quebra que poderá rondar os 30% devido aos ataques de míldio e ao granizo.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Os dados foram divulgados hoje pela Associação de Desenvolvimento da Viticultura Duriense (ADVID), durante uma reunião com associados, no Peso da Régua, distrito de Vila Real.

A diretora-geral da ADVID, Rosa Amador, referiu que as previsões, baseadas no metido de pólen, apontam para uma produção entre as 192 mil e as 211 mil pipas de vinho.

De acordo com a responsável, este valor, comparativamente com a produção declarada no ano passado (262 mil pipas de vinho), poderá representar "uma quebra de 19 a 27%".

O ano de 2016 começou com um inverno e uma primavera com muita chuva. Primeiro, foram os estragos com a derrocada de muros e patamares de vinhas durienses, depois, devido à elevada humidade, a pressão das doenças, principalmente do míldio, e, mais recentemente, a queda de granizo.

Rosa Amador justificou a quebra de produção prevista "essencialmente pela pressão do míldio", salientando que este foi "um ano com uma grande incidência desta doença".

O míldio da videira é um fungo que pode infetar todos os órgãos verdes da planta - folhas, cachos e pâmpanos.

A responsável referiu que o Douro é muito heterogéneo e que os viticultores que conseguiram controlar a doença, através dos tratamentos, preveem quebras mais baixas.

No entanto, devido ao mau tempo sentido na semana passada, com chuvas fortes e granizo a atingirem concelhos como Alijó, Sabrosa ou Vila Nova de Foz Côa, perspetiva-se que o decréscimo de produção "possa estar mais próximo dos 27%". "Poderá ser entre os 25 a 30%", frisou a responsável.

A ADVID advertiu que o resultado final da próxima vindima vai depender das condições climáticas e fitossanitárias que se registarem até setembro.

"O ciclo vegetativo está atrasado, o que nos faz pensar que a vindima vai ser mais tardia e podemos vir a ter surpresas com chuvas precoces", salientou Rosa Amador.

José Maria Soares Franco, da empresa Duoram Vinhos, que possui 130 hectares de vinha em Vila Nova de Foz Côa, no Douro Superior, frisou que "este tem sido um ano bastante difícil, pelas condições climáticas, com bastante pluviosidade na primavera".

"O que obrigou a mais tratamentos do que aquilo que é habitual. Nós, no Douro Superior, raramente fazemos mais de dois e este ano fizemos sete", acrescentou.

Na semana passada, este produtor foi também surpreendido pelo granizo que "provocou prejuízos na área da vinha, que tem que ser tratada, e também uma quebra de produção, na zona afetada, que se estima nos cerca de 20%".

A sua produção média anual ronda as 600 toneladas de uvas.

As previsões de vindima são um dos parâmetros avaliados pelo conselho interprofissional do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP) para definir o benefício, ou seja a quantidade de mosto que cada produtor pode transformar em vinho do Porto.

A ADVID é uma associação privada, sem fins lucrativos, criada pelas principais empresas de vinho do Porto com o objetivo de contribuir para a modernização da viticultura do Douro e melhoria da qualidade dos vinhos.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.